Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Maio, 2012

Eu primeiro!

Era suposto sairmos hoje, jantar, conversar sobre nós, redefinir prioridades, mas não apareceste, nem avisaste, simplesmente recolheste-te no que sabes fazer melhor, nos silêncios, nos teus medos nem eu mesma sei bem de quê. 

Vou deprimir, chorar, cair na tristeza dos corações abandonados? Nem pensar! Vou sim aproveitar a minha noite, um fim-de-semana todiiiinho só para mim e cuidar-me. Estive bem mais de uma hora na banheira, com espuma, velas que espalhei, som ambiente, e fui recordando passagens da minha vida, percursos, escolhas. Saí com a pela cheirosa, macia e após me limpar com todo o cuidado, passei um óleo de pêssego, vesti um body preto e fui para a sala dançar.
“I don´t wanna lose you” da Tina Turner, sentia-me sensual, feminina e deixava o meu corpo rolar lânguido, ao som de uma canção cuja letra já não corresponde ao que eu quero. O que eu não quero afinal é perder-me a mim mesma, perder a possibilidade de me sentir a pessoa mais importante da minha vida. Quem me quiser tem…

The sight of You!

Estou a olhar-te, vejo-te, mas não me mexo, não quero que percebas que estou aqui, sinto-me encolher até ficar invisível. Estás bonito, bem cuidado, oiço o som das tuas gargalhadas e elas doem-me por dentro, a tua felicidade já foi antes a minha, mas hoje tudo o que te move não tem o meu nome, não anda na minha direção, já não somos mais nós, és tu, com uma vida nova, és tu com as escolhas que fizeste e que não me incluem. Julguei que seria mais fácil, nunca me senti verdadeiramente dependente de ti até que me faltaste. Prometi que te traria de volta, mas baixei os braços, recusei-me a mendigar, a soltar as palavras que tantas vezes me pediste. - Porque te custa tanto dizer que me amas? Porque és tu sempre tão distante, tão assustadoramente segura? Mas eu não era assim, distante, fugia de ti sim, de ficar presa, de passar a precisar de ti para sobreviver, viver, sentir, querer, e apenas porque amar assim me assustava, não queria ser “addicted to love”, queria ter poder, mandar nos meus …

De volta a mim!

Estou a olhar para ti mas não acredito, quantas vezes dei comigo a desejar o reencontro que agora aconteceu? Nem eu sei, mas não reajo, quero tocar-te, saber se és real, mas os meus músculos estão paralisados. Estás a sorrir-me, já percebeste que estou incrédula e dás-me, pacientemente, tempo para que recupere. 

Quem é que conhece a sensação de querer tanto alguma coisa que até se surpreenda ou duvide quando finalmente chega? O que foi diferente hoje? Será que esperei com mais força, mais vontade? 

Hoje por acaso foi daqueles dias em que gritei bem alto, enquanto conduzia lá para os lados de onde te vi e senti pela última vez, gritei o teu nome, cerrei os punhos em desespero, tenho alguns dias assim, em que desespero de tanto desesperar, outros serão bem mais tranquilos, serenos, mas hoje quis-te, tanto, tanto que talvez me tivesses ouvido por dentro. Não queria ter que esperar, ter que continuar a sonhar-te apenas, queria e quero sentir-te e como anseio por te sentir de novo. - Sou eu, …