Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de 2015

Pensamentos!

Visões de um futuro próximo!

Por vezes só nos basta sair, ver gente nova, respirar ares "puros" e toda a nossa perspectiva se altera. Por vezes precisamos de sentir como será um futuro diferente, para o querermos abraçar!

Quem me conhece sabe que o que tenho é demasiado pequeno para me segurar, e que há muito quero abraçar uma nova experiência. Não tenho medo dos recomeços, aliás, eles até me dão um formigueiro e uma sensação de novo que me motivam e abrem para o mundo. Não tenho medo de nada, apenas de me perder, de mim, e isso já sei que nunca farei.

Sabem quando é que é uma boa altura para mudar? SEMPRE, e de cada vez que o que tivermos já não nos bastar.
Sabem quando é que percebemos que não estamos no lugar certo? Quando deixamos de ter vontade de voltar, parando de sentir os cheiros, e quando cada caminho se torna demasiado penoso de percorrer.

Nunca estive mais pronta do que me encontro agora. Nunca quis tanto distanciar-me do que já me prendeu, como agora. Nunca quis esperar pelo partir de tudo, pa…

Quando tu passas...

É inevitável, não há como deixar de sentir o teu cheiro. Tu estás em cada lugar, em todas as esquinas, e, obviamente, em mim!

Quando tu passas, cada pedaço do meu corpo reage, os meus sentidos apuram-se, e fico tão alerta que seria capaz de te seguir até de olhos fechados.
Quando tu passas, todos os outros cessam de existir, e o mundo passa até a girar ao contrário.
Quando tu passas, eu fico, quieta, à espera, que me sorrias e te aproximes, que me toques e me beijes, que me abraces e me leves o resto do dia.

Já cheguei a achar que se não te tivesse, não teria nada, mas percebi que não era verdade. Mesmo que tu sejas quem me consegue ver através de mim, que me tenhas presa em cada poro, que me faças questionar até o sentido da vida, sei que se te fores, parte de ti permanecerá e o teu cheiro, esse, voltará de cada vez que te sentir a falta.
Já cheguei a sentir o ar falhar, o corpo a retesar-se de cada vez que admiti a possibilidade de te perder, mas percebi que se não ficares é porque o de…

Cair e levantar...

Todos nós sabemos que depois de uma queda, mesmo que aparatosa, se não nos conseguirmos levantar pelo nosso pé, alguém o fará. Por isso é bom que esse "alguém" exista...

Cair talvez até faça parte do andar, mas a verdade é que ninguém gosta, sobretudo se a razão da queda for absurda. Agora parece ser politicamente correcto dizermos que as dores nos ensinam alguma coisa. Raio que parta tanta dor. Afinal não nos podiam, simplesmente, encurtar o caminho dizendo-nos por onde não devemos andar, ou com quem?

Está bem, eu vou dizer que aprendi, se é suposto eu até digo. Mas não tinha que ser desta maneira, até porque não fiz nada para merecer, ou será que fiz e apenas ando demasiado absorvida com outras coisas para o perceber?

Eu até sou das que se mantém saudável, não piso riscos, não ultrapasso os limites do razoável, já o fiz, profissionalmente, mas percebi que teria que me cuidar mais, e larguei algumas amarras. Sei que me tornei mais dura, a analisar tudo até à exuastão, mas ca…

De onde te vem o talento?

Acabaram de me perguntar porque consigo expressar-me desta forma, fazendo com que os outros se revejam no que escrevo, mas eu só sei que as palavras vão saindo, sem qualquer plano. Sento-me, olho para as teclas do computador e deixo-me ir!

Se tivesse quem fizesse a correcção ortográfica por mim, nunca relia o que escrevo, porque quando o faço sinto-me estranha, e assustada com os sons que deixo escapar. Por vezes estou apenas a lavar a alma, a impedir que o corpo se ressinta de uma dor intensa, mas outras há em que escrevo fora de corpo, sem qualquer ligação emocional, tão vazia que diria estar num sono profundo.

Quando estou mais "down", bastam os primeiros acordes de uma música, e o resto flui, saindo mais veloz do que a minha velocidade fisica. Mesmo que o meu mundo esteja a desabar, nunca me consigo silenciar, arranjo sempre forma de me debitar, de deitar fora partes de mim, porque sei, que no final, ficarei mais tranquila e restaurada.

Já tive ocasião de dizer que este…

Estávamos a precisar...

Estávamos a precisar, os dois, e a descarga foi tão intensa e real, que nenhum de nós se arrependeu!

Existem males do coração que o corpo consegue curar, e eu decidi que podia, que contigo seria possível, e foi realmente. Não nos prometemos nada, pouco falámos, apenas nos abraçámos, como se o amanhã já não fizesse falta, e tivemo-nos, um ao outro.

Não me recordo, não desde que me conheço por pessoa, de ter feito amor apenas por precisar de pele. Ter sido contigo foi um acaso do destino, ou talvez não. Enquanto deambulava, solitária, numa rua fria e deserta, apareceste tu, com um olhar de quem se sente abandonado, e sem me pedires, abriste a porta do carro e eu entrei.

Não te olhei, deixei-me conduzir e senti que precisava de alguém que estivesse a precisar de mim da mesma maneira. Não sei onde fica a tua casa, não teria como voltar porque não estive atenta ao percurso. Não sei a cor das paredes, não me lembro sequer de onde estava a porta da entrada. A tua mão empurrava-me, de mansinh…

Todos os dias do ano!

Não esperes receber o que nunca estás disposto a dar, não durante cerca de mais de 360 dias. Os milagres até poderão acontecer, mesmo quando a esperança já estiver enfraquecida, mas se contares com eles, e apenas com eles, certamente que nem o Natal, o tal dia dos homens de boa vontade, chegará para repôr tudo o resto!

Todos os dias do ano são dias importantes, para te dares, a ti, inteiro e para pedires aos outros de igual forma. Todos os dias, alguém precisa de te ouvir, de ter o teu conforto, de sentir um cuidado, mesmo que pequeno, mas constante. Todos os dias choramos e rimos, sofremos de dores mais ou menos intensas e temos vitórias que por vezes ninguém reconhece. Todos os dias amamos e somos amados, ou tão simplesmente desejamos um amor que nunca irá chegar.

Não te foques nos dias que o calendário assinala, foca-te nas pessoas, nas emoções e no quanto te tornarás mais rico com cada uma. Não guardas para "amanhã"o "desculpa", ou o "amo-te". Não te r…

Acordar contigo foi assim!

Acordar contigo foi natural, tranquilo, mesmo depois de uma noite bem agitada, onde estivemos quase sempre acordados, tocando-nos para nos certificarmos que eramos mesmo nós, ali, juntos, em abraços que não quisemos despegar, com beijos que nos colavam as bocas sequiosas, com os corpos incapazes de se satisfazerem, mas satisfeitos com cada carícia.

Acordar contigo bem que podia ser sempre assim. Eu e tu, sem horários, esperando pelo cair de cada noite, e empurrando as manhãs para que nasçam bem mais tarde, permitindo-nos o tempo que nos recusámos antes.

O que mais se pode desejar de quem desejamos do nosso lado? O que se pode esperar quando as esperas terminam, e o que é nosso chega, como se não pudesse ter sido de outra forma? Para onde acabaram a ir os dias onde não éramos nós?

Não me importa o que tinha, quero saber do que tenho, agora, quero saber de ti, do que és para mim, e de tudo o que me consegues proporcionar, começando pelas noites das quais sei que irei acordar, contigo.
Não …

Merry Christmas!!

Pensamentos!

O que faria por ti?

Já foi menos, e até mais. Já foram imensos sentimentos, misturados e saboreados também!

Gostaria de dizer que tudo o que faço é por ti, mas não seria verdade. O que faço, tem-te, isso sim, sempre em mim, porque os minutos não correm sem que estejas em cada um, e porque sei, que à hora que é certa, para os dois, o telefonema chega e a tua voz confirma o que já sabemos, tu e eu.

Tu és quem conheço, cada vez de um modo mais completo, e quase natural, como se de outra forma não pudesse sequer ser possível.
Tu és por quem fui esperando, com algum medo, achando que poderias nem vir a existir.
Tu és quem torna a minha vida, agora, capaz de ser vivida, em pleno.
Tu és com quem eu partilho o copo, meio cheio, de um amor que não terá que transbordar, porque o sentimos da forma certa.

Quem nos conhece, sabe, que há muito pouco que não faria por ti, e sem imprimir qualquer esforço, deixando-me apenas ir, e estando onde e como precisas. Quem nos ouve falar, do nosso amor, consegue perceber que de outr…

Já estás na minha pele!

O meu corpo acabou por aceitar o teu, cada um dos meus poros se abriu e permitiu que entrasses, TODO, alojando-te na minha pele e passando a ser parte do que já era eu!

Começaste por ser aceite pelo coração, o tal que, ou bate desenfreado, ou regressa aos batimentos normais, sem se interessar por mais nada, nem ninguém. Depois a minha mente decidiu analisar-te, para perceber se terias alguma das características que tanto me importam, e sem as quais jamais embarcarei numa aventura emocional. Gostei de cada uma, revi-te em todos os comportamentos, e senti-te em todas as emoções, mesmo nas que receaste mostrar. Depois, e só depois é que veio a pele, não menos importante, porque ou nos entranhamos, ou estranhamos sem volta.

Já estás na minha pele, cada pedaço de ti tem-se vindo a juntar a cada pedaço de mim, impedindo-me de voltar apenas a ser eu, no que quer que faça. Para qualquer decisão, para os passos que antes dava solitária, e até para as decisões que tenho que tomar, tu estás lá, a…

Não desistas. Não ainda...

Dá-lhe tempo, tenta percebê-lo, lê-o melhor e talvez o "esforço" até venha a compensar!

Não desistas de quem parece ter sabido como te tocar.
Nao desistas de um amor que surgiu quando mais nenhum te parecia já ser possível.
Não desistas de tudo o que vos une, de cada pequeno nada em comum, e que até se tem transformado no muito que já te atreveste a sentir.

Os medos, as dúvidas, as incertezas, vão sempre existir, mas podes escolher confiar, deixando que ele te veja, como és, e olhando-o tu, como ele é mesmo, porque algumas pessoas foram feitas para estarem juntas, para se tornarem mais completas, fornecendo, cada uma, o seu pedaço de história, e ajustando o que ambas procuravam.
Os medos impedem-nos de tanto, que já nada do que éramos antes, nem a coragem que parecíamos ter perante a vida, tem forma de nos conseguir confortar nos momentos mais desafiantes.
Os medos atiram-nos até para a chuva, deixando-nos de alma ensopada e numa solidão que se entranha, na pele e na carne.
Os me…

Cabe-me a mim escolher!

Sou eu que escolho, SEMPRE, como me irei sentir, que importância dou aos outros, de que lado da cama prefiro dormir e o que farei em cada dia.

Se me cabe a mim escolher, então não posso ser masoquista, e não deverei querer, certamente, o fatalismo, nem a mediocridade.
Se me cabe a mim escolher, então escolho estar bem e feliz, porque tudo o resto serão apenas passagens, mais ou menos longas.
Se me cabe a mim escolher, e desde que percebi que poderia mesmo fazê-lo, então escolho amar quem me ama de volta.

Numa fracção de segundos até as nuvens aparecem, ameaçadoras, a roubar-nos o sol que julgávamos ter vindo para ficar. No minuto imediatamente a seguir a uma enorme gargalhada, sentimo-nos sufocar, e a voz que ouvíamos, forte, desaparece. Tudo, mas mesmo tudo, é tão efémero, e passa-nos tão rápido, que a escolha inevitável será estar bem, pelo tempo que conseguirmos, estando connosco mais tempo do que com os outros, que não raras vezes, ameaçam o nosso equilíbrio.

Quem acreditas tu que se p…

E cheguei aos 2,500 posts!!

AMAZING!


Não sei como o consegui fazer, mas a verdade é que 3 anos e 8 meses depois, já depositei muitas palavras neste blog, e encontrei, através dele, muita gente maravilhosa!

Cheguei a um dos meus marcos para este ano, não pensei nele todos os dias, mas quis atingi-lo, até porque chegar, "lá", só me poderia dar uma enorme sensação de poder.

Cheguei aos 2,500 posts, e em cada um ficou muito de mim, mas também de outras almas e corações. As palavras são minhas, mas por vezes, mais de 70 por cento do tempo, limito-me a usá-las para tranquilizar, ou abanar os outros.

Tenho recebido histórias, incríveis pelas dores e pelas conquistas, ouvido lamentos que forçaram a paragens, a sentimentos depressivos e a ódios também.
Tenho tranquilizado quem não encontra forma de entender quem ama,
Tenho ajudado a fazer travessias e tenho-me ajudado a mim própria, ouvindo com atenção o que fizeram de errado, tentando, com muito empenho, ser também eu melhor e mais coerente.

Nunca poderia ter escri…

Conseguir ter, na palma da mão!

Follow my blog with Bloglovin
Parece difícil, mas se o consigo pensar e visualizar, então estou pronta para o receber!

O mais difícil já foi conseguido. Eu já sei o que quero fazer, onde me vejo no futuro, e com quem. Nada mais simples, certo? Todos nós sabemos que não é verdade, e que muitas pessoas, se não a maioria, passarão a sua inteira existência sem saber o que vieram "aqui" fazer, o que lhes está destinado, e de que forma poderão contrariar o que acabaram a atrair, mas que não as satisfaz, em nada.

Primeiro temos que sonhar, a seguir planear e visualizar, juntando empenho, e resiliência. Abanamos bem até conseguirmos a persistência necessária, e depois, depois é só permitir que chegue, estando com os braços, e a mente bem abertos.

TANTO que já acabei a ter, na palma das mãos, mas não se iludam, não se limitou a cair, eu fiz, e muito, para que acontecesse. Não desisti, procurei formas de contornar os desafios mais exigentes, desafiei-me a mim, sempre, testei e fui testad…

Já sabes do que padeces?

Qual foi o diagnóstico, e que "médico" te consultou?

Para saberes do que padeces terás que fazer umas quantas reflexões, começando por parar de culpar, tudo e todos, pelo que te viste incapaz de concretizar.

Quem é que te conhece melhor?
Quem é a pessoa mais importante da tua vida?
Quais são os teus sonhos?
Onde te vês dentro de alguns anos?

Estas são as inevitáveis perguntas das sessões motivacionais, mas comportam o essencial e só nos cabe, a nós, responder, a cada uma, com toda a honestidade e depois sim, analisar as dores, e a forma como nos estamos a conduzir.

"TU" sabes que sempre existirão, histórias, sensações e pensamentos aos quais ninguém mais terá acesso. Até sabes que se por vezes te sentes no chão, apenas pela impossibilidade de te partilhares, completamente, permitindo que te salvem, ou que apenas te oiçam e aceitem, sem cobranças nem julgamentos.

"TU" és quem precisa de saber, exactamente, o que esperas, da vida, e de quem te afaga o coração. …

Entrevista em directo da Rádio Hertz!

Dependências emocionais!

Cada vez mais se ouve falar de ligações bizarrassentimentos deformados e dependências que se tornam tão cáusticas quanto o são as drogas duras. Mas o que "nos" leva a depender de outra pessoa, de forma a perdermos a nossa própria identidade? O que "nos" falta assim tanto, para apenas conseguirmos funcionar se o outro estiver por perto?

A crise de valores, os medos, o conforto que deixamos instalar, o não querer voltar a ser exposto, mostrando o que somos realmente, impede-nos de sermos verdadeiramente felizes, e mais grave ainda, impele-nos a espalhar a nossa infelicidade, minando tudo ao redor.

Nunca Ninguém, poderá ser mais importante do que nós mesmos, e temos que acreditar que a pessoa que nos chega, a mesma que escolhemos para fazer um percurso de vida, tem ela mesma vontades, desejos e sonhos, que deveremos ser capazes de alimentar. Dar, recebendo, e ser, permitindo que o outro também o seja, será a forma certa, não esperando, em nenhum momento que sintam p…

Parei-me!

Deixei de me preocupar com quem te deseja, com quantas consideram que serias o homem ideal, e já nem quero saber do que julgam saber elas!

Parei-me quando percebi que estávamos em sintonia, e parei-me, sobretudo, porque nunca te poderia forçar a seres e a sentires o que eu preciso. Parei-me porque nos magoava, aos dois. Parei-me porque acredito que a forma como te amo, é tudo o que sempre precisaste.

Não existe nada, neste ponto da minha vida, que me deixe mais tranquila do que o amor que te tenho. Consigo sentir toda a energia que me passas, de cada vez que me lembras que acabaste de te lembrar de mim. Tal como sei que NADA permanece por tua causa, também é certo que é contigo no pensamento, que tudo caminha, de forma mais intensa.

Saber que existes e que é de mim que precisas, aumenta os meus poderes, desafiando a minha determinação e vontade de ser bem melhor do que já sou hoje.
Saber que te estou reservada, conseguindo esperar, de forma tranquila, para que venhas, deixa-me livre pa…

O meu primeiro romance publicado!

Vou dizer tudo o que sentir por ti!

De agora em diante, se me fizeres falta, se sentir que te quero muito e que preciso que me toques para me certificar que te tenho, voudizerSe sentir, como acontece em grande parte do dia, que não consigo estar contigo, vou dizer que mudas cada olhar que uso para ver o que quero. Se para te deixar bem e fazer feliz eu tiver que dizer, 120 vezes que és o homem que preciso, vou dizer.

Quando nos dispomos a aprender, a prosseguir com o que nos veio parar às mãos, negociando e renegociando tempos, sentimentos e momentos, tudo acabará por se encaixar, eventualmente. Quandonos conseguimos distanciar de emoções revoltas e de medos, parando, falando e pensando no que pensará o outro, os elos da corrente manter-se-ão ligados, firmes e inquebráveis.

Eu seio que sinto e de que forma passei a sentir-te. Sei por onde entraste e porque não planeio deixar-te sair. Posso dizer que é bom, querer-te assim? Não me fica mal reconhecer que és importante e que quero continuar a precisar da forma como pre…

E já são 16!

Mesmo que tenha a sensação de que passaram demasiado rápido, sei que vivi cada ano, e que fui SEMPRE a que estive em todos os passos que o vejo dar!

O meu segundo filho, o contestador, o que sabe o que quer e de que forma, até quando muda de ideias, é um ser muito especial, e não o digo por ser a mãe, mas porque sempre foi, mal nasceu, e me começou a desafiar, tal como faz agora, mas com ainda mais convicção, forçando-me a ser melhor e deixando-me envergonhada de cada vez que não consigo.

É seguramente a minha versão melhorada, porque encontra, mesmo no turbilhão de ideias que sempre o assolam, a tranquilidade que me falta. Não julga ninguém, nunca sem factos, e tem um coração que leva todos quantos vai conhecendo pelo caminho, armazenando-os com imenso carinho e respeito.
É um jovem homem, que se preocupa, genuinamente, comigo, e é a quem recorro sempre que sinto o medo disparar, medo de não o poder proteger, ou aos irmãos.

- Oh mãe, assim até me ofendes, quando achas que preciso da…

Pensamentos!

Pensamentos!

We used to!

Weused to figure it out, going the same places, and being the same ones!

Nothing ever changed, not before, as it does now, the minute we walk out the door, because we´re not there, nor you nor I. We should have learned how to fight our differences, we should have accepted us both, with what we brought to one another, but we simply let it all go.

We used to be such good friends, laughing of silly jokes, wondering around for the same periods of time, and going whenever we had no other chance.
We used to love the same things, sharing the food and the sounds, dreaming of places where only one would never make sense.

Nothing is totally lost until we really lose it.
Nothing seems far when we manage to stay close. And no distance ever separates who wants to be together.

We used to know what the other wanted, with no effort, no rules, free of charges.
We used to know what was really important, and all the rest stood still, for as long as we made love.
We used to know each other´s body, so well, tha…

Estreia na escrita em andamento!

Estreia na escrita em movimento. Ontem não consegui deixar nenhum post agendado, afinal de contas até uma mulher tem limites e eu terei certamente os meus. Assim restou-me escrever no comboio, a caminho de um caminho que certamente terei que fazer muitas vezes, e perdoem-me a redundância, mas aqui tinha que ser.

Estou a precisar, mesmo, de me descolar do papel de mãe, porque eu uso de um exagero e de um contole que ainda os sufocará um dia. Não sei delegar, sou de um exagero que cansa, cansa-me sobetudo a mim, por isso esta nova etapa irá trazer ajustes benéficos para todos nós.

Mais logo darei notícias sobre o maravilhoso evento, no qual estarei presente. Tudo tem um início, um encadeamento, e como já ouvi dizer esta semana, a vida só é dura para quem for mole.

Mexam-se, para chegarem a algum lugar que valha mesmo a pena!




Mantém-me aí!

Deixa-me ficar, desse lado, continua a ver-me dessa forma, junto à luz, porque assim, nada de mim ficará de fora!

Mantém-me junto a ti, mesmo que estejas do outro lado do meu mundo. Não desistas, não te pares, quem sabe desta vez, com o devido empenho, não me terás de volta. Não vou falhar na promessa, não me vou refugiar no ontem, no que correu mal, na tua fuga para a frente, a que apenas serviu para me quereres ainda mais, com mais força, desejando o corpo que até já foi teu e que espera pelo teu, ainda.

Mantém-me aí, junto a ti, sem desesperos, à espera do que eventualmente chegará, porque até foi a ti que reconheci, nesta vida. Foi por ti que também esperei para que estivesses pronto, para que viesses, e vieste.
Mantém-me tão próximo quanto a distância deixar, porque quem já percebeu o que lhe mudará a vida, não pode continuar a fugir dela, negando o que mais nada nem ninguém tem.
Mantém-me próxima de ti até que me consigas tocar mesmo, uma vez mais, e para que cada momento se arrume,…

Estou a sentir-te, agora ...

Agora, neste preciso momento, enquanto todas as partes do meu corpo se movem, numa dança que já conheço, acompanhada dos sons que me dizem tanto, porque estás em cada um. Estou a sentir-te enquanto me solto, em cada movimento, levando a que as minhas pernas saibam, exactamente, o que fazer e quando. Estou a sentir-te, com os olhos fechados que ainda assim te conseguem ver e te imaginam, colado a mim, enquanto, lânguida, pronta, desejosa de um desejo que não passa, não até que te tenha.

Eu sou feita tanto de sentimentos, quanto sou de sons, os que servem para me acordar de mim e voltar a funcionar.
Eu sou a que encontra, sempre, forma de se restaurar, quando o despertar não foi o esperado.
Eu sou a que conhece, tão bem, este corpo, por onde só passas tu, mesmo quando não estás.
Eu sou a que te encontra de cada vez que te procura, porque há sempre forma, sobretudo quando o que está do outro lado é o que faz este continuar.

Não paro, não me sossego, não desligo até que toda a forma de te sen…

Mesmo que queiram...

Mesmo que julguem que conseguem impedir-nos de sentir, eu sei etu sabes, que já não é possível!

Nada do que vem de fora de nós tem mais poder, ou mais palavras do que as que nos passamos. A cada dia, bem lá de dentro, pelos corpos que nos pertencem, pelas emoções que criámos no momento em que deixámos de ser apenas um. Nada do que pensem os outros, circula no mesmo plano que os nossos pensamentos, nos interrompe os olhares que só pousam onde importa, em mim e em ti ao mesmo tempo.

Amar-te é o que tenho aprendido a fazer, sentindo-te mesmo quando não estás onde te reclamo. Amar-te faz de mim esta pessoa, especial, com uma alma que envolve todos os planetas, porque me torno tão grande, quase imortal e capaz de ir onde eu me ordenar, porque também lá estarás tu. Amar-te tem sido como os movimentos que uso quando paro de me controlar, e sou a mulher que sempre precisaste, tocando-te onde mais ninguém sabe, nem pode.

Mesmo que queiram decifrar-nos, entendendo o que por vezes nem mesmo nós…

Estou preparada!

Não sei se estou ou se fiquei, de repente, preparada, após ter percebido mais um milhar de coisas, mas seja lá o que for o estado, ou o caminho, a verdade é que me sinto diferente, como se tivesse, de repente, renascido!

Eu sou mulher, é um pequeno grande pormenor, que significa sobretudo, que gosto de dar nomes às coisas. Aos sentimentos então nem falar. E por isso pergunto-me porque afinal só consigo ver agora, com clareza, o que sempre esteve antes? O que mudou em mim?

Hoje é dia de reconhecimento, amanhã poderá ser de análise, e mesmo que não pare de pensar no assunto, já o consigo segmentar. Como tudo o resto na vida, cada coisa na sua hora e lugar, porque se não for assim, rebento como os sapos quando lhes põem um cigarro na boca.

Agora já acordo preparada.
Agora sei como me relacionar com algumas pessoas que me faziam ferver de frustração.
Agora condescendo ao ponto de as deixar circular, como sempre o fizeram, mas sem me perturbarem.
Agora mando eu, até no que escolho sentir.

Viver…

Diários de vida!

São TANTAS as vidasque tenho conhecido e as quais trabalho agora, que certamente poderia escrever no mínimo, mais 2 ou 3 livros!

O meu novo projecto tem-me oferecido o abrir de alguns diários, vidas que se desenrolaram de formas tão pitorescas, algumas, e diabólicas, outras, que arriscava uma série de episódios sobre o oculto, e olhem que não sou mórbida. Dentro de 4 paredes escondem-se dores, gargalhadas, emoções e desilusões, que ninguém pode avaliar, daí a riqueza, e o encanto.

Os meus exercícios diários já passam por ouvir, atentamente, quem me procura, mas ultimamente pareço ter um íman e puxo tudo e todos, de uma forma quase incontrolável. O que significa tanta, aparente, necessidade do que sei dizer? Será que ajudo, realmente, ou apenas baralho e desmotivo ainda mais?

Escrever sobre o que passou a ser verdadeiramente importante na vida dos que comigo se cruzam, é um privilégio, um crescimento até para mim que me considero emocionalmente crescida.
Escrever, usando as palavras que…

Quem te mandou?

De onde tiraste a ideia de que me poderias simplesmente deixar ir? Quem te mandou olhar, para o lado contrário, durante o tempo que me fez sair de ti? Onde julgaste tu que me encontrarias quando te decidisses, finalmente, a perceber que era eu? O nosso destino não se compadece com as distracções, se não estivemos atentos, teremos que ficar na fila, e aguardar, muitas vezes, por uma próxima vida.

Quem te mandou tomares-me por garantida, achando que apenas tu olharias para mim?

Não me cabia lembrar-te, acordar-te para mim. Não me cabia fazer-te entender que ou me tinhas, realmente, ou me perderias, para sempre. Não era de mim que teria que chegar o que te faltava. Eu era tão simplesmente a mulher que escolhera amar-te, esperando, pacientemente, que também o fosses e que não sentisses necessidade de não me ter, sempre, em todos os momentos nos quais se constroem os amores que permanecem.

Não te consigo ler. Não sei que dores carregas para teres, esta vontade de continuar a voar, sozinho,…

Gritar!

GRITAR impõe-se de cada vez que nos sentirmos doer por dentro, mas com uma dor que ninguém explica, que chega de tão fundo que nos parece querer apagar a alma!

GRITAR pode ser um acto de coragem, um desprender de amarras, o afirmar de quem se toma por pessoa, que precisa, como de pão para a boca, de ser respeitada e admirada pelas escolhas, mesmo que erradas.

Eu nunca deixo nada por dizer, e se gritar é o que me permite continuar, faço-o, com o mesmo à vontade com que canto e incluindo-o nas minhas rotinas para que não me afogue.

Calma com esta coisa do gritar, porque ele pode não ser no sentido literal da palavra. Por vezes os gritos saem sem sons agudos, mas numa determinação que basta para que nos levem a sério. Gritar afirma-nos e reafirma tudo o que tantas vezes repetimos para que nos oiçam.

Conheço tantas pessoas sufocadas, com palavras que recusam deixar sair, olhando, sempre, para todos os lados, certificando-se de que não serão julgadas, que manterão a classe, como se por clas…

Não te encolheste!

Não te encolheste, mostraste alguns medos quando te partiram, pela segunda vez, mas não te fechaste ao amor e acreditaste que terias um tempo e um lugar!

Tens sido uma lufada de ar fresco, para todos, e até mesmo para mim quando arrisco desiludir-me, achando que a minha vez nunca chegará.
Tenho-me alimentado do amor que te vejo reflectir e que reflexo maravilhoso chega do teu olhar, das palavras que agora carregas, sem os medos de antes.

Conheço tão pouco de ti, mas consigo sentir cada pedaço de alegria que espelhas. Não sei, praticamente nada do que vives, mas consigo perceber o quanto tudo se encaixou e como encontraste quem te ama, verdadeiramente, tanto quanto te sabias capaz de amar.

Precisamos de nos voltar a encontrar, para que me insufles cada gota dessa coragem de que te envolveste para teres tudo o que recebes, agora, com mérito reconhecido. Precisamos de nos aproximar, para que também eu te passe a certeza que me ficou, da possibilidade que nos caberá a todos, bastando que …

Nada é por nós ou para nós

Vivemos numa sociedade na qual nada, mas mesmo nada é feito de forma a que nos facilitem a vida, e para que sejamos mais felizes e completos!

As leis são apenas para um dos lados, os benefícios para os de mais poder, e todos os outros seguem, como ovelhas, pelas linhas da cor que determinaram. Não é suposto que reclamemos, que demonstremos desagrado, porque tudo foi feito de forma tão automática, que ainda nos conseguem deixar com sentimentos de culpa, de cada vez que nos atrevemos a discordar.

Ter uma voz dá trabalho. Dizer o que pensamos, como queremos e porque pensamos de forma diferente, obriga a que se tire o rabinho do sofá e se vá. Falar de trás, com uma voz de burro, não nos trará resultados, mas infelizmente para o país, a maioria prefere que seja assim.

- Vou-me chatear para quê?

Deves-te chatear para que nos chateemos menos, passo a redundância. Temos que ir aos sítios certos para que todos à volta possam beneficiar das melhorias, porque se for bom para ti, será certamente…

Quando o sofrimento não tem nome!

A razão pela qual tantos penam por aí, prende-se com o simples facto de não saberem que sentimento pôr ao fim de uma relação!

Nós somos seres pensantes, está bem, eu sei que uns mais do que outros, mas a realidade é que precisamos de perceber se o que sentimos é ódio, raiva, amor, não importa o quê, mas o resultado tem que estar definido e claro. Quando os homens se queixam de que não entendem as mulheres, mesmo que para isso não façam qualquer esforço, é apenas porque não estão atentos, mas eu vou explicar, again! As mulheres rotulam tudo, gostam de nomes para cada ser ou objecto e quando não o encontram, põem-se a bater com a cabeça, com a sua e a dos outros, até que se faça luz. Mas porquê prolongar dores, o que ganham "vocês" afinal?

Eu vou fazer uma analogia violenta, mas quem sabe assim não mudam de ideias. Quando uma mãe perde um filho, e digo mãe porque nós somos mais guturais e é de nós que eles nascem, mas sem de todo minimizar a dor dos pais, ela nunca mais poder…

Ainda se pode?

Será que é possível, doable, como dizem os ingleses, ajudar os outros, sem mais nada, apenas porque nos preocupamos e até conseguimos forma de resolver o que mais ninguém consegue? Dito assim parece que a resposta só pode ser um sim redondo, mas nada é claro, aparentemente, nos dias de hoje!

Se fazemos é porque temos alguma intenção escondida, se não fazemos somos uns egocêntricos, se ajudamos os de fora perguntam-nos logo pelos de dentro. Preso por ter cão...

Cada vez entendo melhor os que se arredam da vida alheia, os que dizem lamento, mas não posso, porque esses apenas se livram, na generalidade das vezes, de problemas que não lhes dirão respeito. Tudo é bem mais fácil, menos propenso a debates e a análises, mas a verdade é que também existe a ajuda sem retorno, existem pessoas que apenas não conseguem virar a cara e fingir. Olhem só que chatice, ser humano tem mesmo porras, até porque sabemos, quase todos, que muito provávelmente não virão envoltos em agradecimentos, mas pronto,…

Os nossos sonhos!

Todos os desejos que não nos inibimos de partilhar quando somos jovens, de sangue na guelra, a achar que o mundo congeminará a nosso favor, oferecendo-nos todas as oportunidades, que, aprenderemos mais tarde, apenas chegarão se fizermos por isso.

Os dias organizados pelos pais, as orientações académicas, mais ou menos apresentadas por quem aparentemente parece saber do que fala, tudo, mas mesmo tudo, corre sempre de forma previsível e natural, mas o resto das nossas vidas já não será assim, e de uma forma ou de outra, ficaremos a sabê-lo.

Quantos de nós não parámos já para pensar em tudo o que mudou, em cada sonho que jurámos manter, nos amigos que perdemos, e não porque o fossem menos, mas porque nos forçaram a entrar numa outra pele?

- É a vida - dirão alguns. É a passagem à vida adulta, que supostamente não pode ser envolta em risos, em concretizações, em amores que resultam, no modelo de família que tantas vezes vimos retratados nos melhores romances de cinema. Tudo parece ser po…