27.6.15

Estou de volta!


Feelme/Estou de volta!Tema:Sentimentos!
Imagem retirada da internet

Estou de volta. Estou "limpa", de amores que não me serviram, que assentaram de forma errada, numa base tão frágil, que ruir foi sempre previsível!

Não sei como se sentirão os que sofrem de adições, seja de drogas, de bebidas, ou até de sexo, mas certamente que quando estão "limpos", são livres outra vez, e é livre que me sinto, dona do meu tempo, a viver sem qualquer stress emocional, e a prová-lo o fato de me ter esquecido do telemóvel, e de me ter mantido maravilhosamente tranquila, quando o constatei, 2 horas mais tarde.

Estou de volta e gosto mais de mim assim, já não voltarei a confiar a minha felicidade a ninguém, trabalharei eu para o ser, e dependerei apenas de mim para que os dias corram tranquilos e agitados, completos, e inundados de planos, ou apenas cheios de ócio, de mim mesma e do que faço acontecer.

CLARO que quero e espero por uma relação, mas terá que estar bem acima da média, por surpreendentemente, a minha fasquia não baixou NADINHA, subiu ainda mais, porque percebi que o "jogo" deve começar e terminar quando o decidir eu. As razões são óbvias, dependem de mim seres demasiado importantes para que arrisque ou faça bluf, ou tenho as cartas certas, ou não vou a jogo. Para onde irão depois todos os sentimentos que me correm como sangue? Para aqui, para as palavras, para os sons que por vezes não faço ouvir, mas que deixo ler.

Estou de volta ao ponto de partida, sem emplastros, sem pontas soltas, totalmente resolvida, e consciente de que nem sempre amei as pessoas certas, mesmo que tenham vindo nos momentos certos. Quem entrou na minha vida trouxe-me um propósito, veio mostrar-me o que falhava ver, mas apenas vieram confirmar-me que sou mais importante do que tudo o resto, e que ou se adaptam a mim, ou não me irão ter, nem pouco, nem muito. Egoísmo? NÃO, defesa, perspectiva, prioridades, EU, nada mais simples!

26.6.15

O que desejo afinal?

Feelme/O que desejo afinal?Tema:Me!
Imagem retirada da internet

O que desejo afinal? É simples, TUDO, nada menos do que isso, porque se neste momento não tenho quem me complete, quem esteja pronto para me ouvir, para me receber, para me oferecer o único abraço que me poderá restaurar do dia longo, então fico-me comigo, e que bem estou!

Às vezes penso que sou uma alma velha, daquelas que já passou por todas as vidas, e que por isso já sabe do que vão falar, antes mesmo de abrirem a boca. Chega a ser cansativo, acreditem, porque não ser surpreendida, em nenhum momento, nem mesmo pela negativa, cria um vazio difícil de preencher, e acabo a afastar-me, inevitávelmente, de quem apenas me faz perder tempo.

Como eu desejava conhecer alguém que me conseguisse aguçar a mente, mas fazendo-me mover o corpo como eu sei que ele consegue e precisa.
Como eu gostava de um homem de pés na terra, de ideias firmadas, sem demasiadas perguntas por responder, apenas vida para partilhar.
Como eu desejava poder passear de mãos dadas, falando de tudo e de nada, e sentindo que a pessoa ao meu lado o estaria realmente.
Como eu gostava que TU pudesses ter sido tudo o que me faltava, sem que eu precisasse de te o pedir, sem que tivesse que esgravatar no "chão" para te perceber.

O que desejo, agora e sempre, é muito simples, um homem à minha altura, alguém que seja tão ou mais forte do que eu, que veja para além do aqui, e que nunca se contente com o agora, porque saberá, tal como o sei eu, que com o amor certo, haverá muito mais amanhã, e depois de amanhã, e depois...

O que desejo afinal existe, só ainda não o encontrei!


Foi uma mentira sim...

Feelme/Foi uma mentira sim...Tema:Relações!
Imagem retirada da internet

Foi uma mentira sim, começou por ser, talvez não conscientemente, mas como me intrigavas tanto, como te via como uma peça rara, com quem nunca nas minhas andanças amorosas me tinha cruzado, decidi que te conquistaria, e fui bem sucedido!

Demorou, até para mim, e quase que desisti, mas fi-lo várias vezes ao dia, regressando sempre com a curiosidade ainda mais aguçada.

Quando te vi não foste o que esperava, eras mais, parecias maior do que eu, e não era na altura, tinhas um misto de força e de doçura que me enlouqueceram de imediato. Tudo em ti se encaixava, a forma altiva quando falavas de ti, segura e conhecedora, e os olhos caídos quando te elogiava, quando largava, inconscientemente, palavras que nem sabia conseguir pronunciar, estava maravilhado, aparvalhado, estava definitivamente apanhado por ti.

O primeiro beijo foi roubado, tentaste fugir de mim, mas eu tinha planeado de que forma te deixar presa e incapaz de reagir. Senti os teus músculos retesarem-se, a pressão que fizeste nas cochas, receosa de que me atrevesse a tocar-te, os teus seios ficaram tão próximos de mim, que os poderia ter esmagado de prazer, mas resolvi tirar-te o ar, preferi ver como beijavas quando percebesses que não haveria fuga, e o teu beijo veio, contigo, com toda a paixão que acabei a viver mais tarde, senti do que eras feita e adorei todos os minutos em que estivemos assim, colados um no outro, apenas nós.

Foi uma mentira a relação que comecei, mas terminei irremediávelmente apaixonado, a amar da mesma forma que me amavas tu, mas como em tudo na vida, e sobretudo nas mentiras, acabamos sempre a pagar pelos erros, e da forma mais dura. Quando percebeste que o meu amar era apenas isso, sem mais nada que o suportasse, sem quaisquer planos para poder ficar e construir alguma coisa contigo, saíste tu, recusaste ser como eu, um ser pequeno e egoísta, e tomaste uma das decisões mais difíceis da tua vida, abandonar quem amavas, para continuares a ser a mesma mulher.

Dir-te-ia umas quantas verdades, agora, se pudesse, mas percebi que o teu NÃO foi tão determinado quanto o és tu e a tua forma de amar. Vou continuar a respeitar-te pela capacidade que demonstras em querer o que é teu por direito e a não aceitares nadas. Vou continuar a amar-te, agora que já sei como fazê-lo, e vou continuar a culpar-me por não ter sabido manter a mulher que me mudou realmente, pena que tenha sido tarde demais, pena que eu seja uma besta insensível, e agora verdadeiramente sozinho, como fica quem não sabe o que significa dar para receber.

25.6.15

A zeros!

Feelme/A zeros! Tema:Me!
Imagem retirada da internet

Reverter o contador, pô-lo a zeros e recomeçar!

Não deveríamos ter que explicar o que já tivéssemos feito, quando não nos entendem, então talvez nunca nos tenham amado. Será mesmo assim? Não. Por vezes não falham ver-nos, mas a pequenez, a incapacidade de terem apenas uma mulher, de cada vez, e de se deixarem amar como ainda não experimentaram, mostra-nos, aos que estão do lado de cá, que foram tendo apenas pedaços, migalhas, restos e por isso deram na mesma proporção.

Estou a zeros, de alma lavada, a saber que tenho o que faz falta, que sou quem mereço. Sei que preencho qualquer falha e que não me desbarato, não divido camas apenas por me sentir só, sou EU em todos os momentos, até com as minhas recusas, mas sou EU e ninguém terá porque duvidar.

Sou nova, outra vez, mais solta, não tenho que te procurar, que tentar saber de ti, tirei-te da pele, percebi que nunca tinha estado na tua e senti uma vergonha que quase me fez encolher a um canto e desejar morrer.
Sou a que conheceste antes, mas numa versão melhorada, muito mais pronta, mas sempre com o mesmo carácter e sabendo, agora ainda mais, que não quero magoar ninguém, nem deixar marcas que me sujem a alma. Quero tão somente amar como só eu sei e quero a certeza de que me tiveram, porque me dei.

Já respiro melhor. Já caminho mais confiante e dou comigo a sorrir por dentro, tanto que não me impeço de sorrir por fora. Deixei-te no teu lugar, no mesmo de onde nunca te atreveste a sair. Deixei a tua incapacidade de chegares até a mim e de ficares realmente. Mas deixei, também,  de ter medo que me ficasses dentro, para sempre, e que te fosse sentir, de forma desmedida, a falta.

Estou a recomeçar, do zero, sem recear que seja eu primeiro, e até estar tão reconstruída que o próximo amor se encaixe, de forma natural, como se tivesse estado sempre assim, aqui, comigo. Já te foste, mas eu fiquei e estou a recomeçar!

21.6.15

O que pensas de mim...

Feelme/O que pensas de mim...Tema:Pensamentos!
Imagem retirada da internet


O que pensas de mim interessa-me, claro!

Tudo em ti é importante, não apenas a forma como me amas, mas também o que vês e pensas de mim, porque serão os meus pequenos nadas, que te manterão no meu caminho, ou que te afastarão para sempre.

Importa-me que me admires, que entendas o que digo e faço, o propósito de tudo o que construo, as horas em que sou forçada a afastar-me de ti, mas todas as outras em que te saberei recompensar, porque estarei inteira, sem pedaços de mais nada do mundo lá fora, e que só nos importa, porque não nos bastamos sozinhos.

Interessa-me que saibas mais de mim do que todos os outros, que reconheças os meus humores e que saibas estar atento ao que espero de ti. Quem ama não precisa, sempre, das palavras, sabe falar com o olhar e com o toque, entende do outro porque o tem na pele, porque sabe o que o deixa ao rubro e o que o entristece, mesmo que momentaneamente.

Interessa-me que sejas tu a pessoa mais importante do meu círculo de vidas, de toda a gente que me está perto, mas que nunca conseguirá a tua proximidade.

Interessa-me que eu seja para ti o que nunca tiveste antes e que saibas com o que contar, de cada vez que as águas ficarem mais revoltas, e que o céu ameaçar desabar.

Interessa-me, tanto quanto te interessará a ti, que não sejamos apenas mais dois, mais um casal que esbraceja para se manter à tona, teremos que saber como nos segurar, um ao outro, tendo a certeza de que juntos não seremos apenas sobreviventes, porque eu quero VIVER contigo, tendo-te como mais ninguém consegue. Se não for assim, se for apenas igual, então deixa que me desinteresse de me interessar, porque o quase nunca será suficiente!

18.6.15

Estou a olhar-te...

Feelme/Estou a olhar-te!


Ainda te consigo ver, cada contorno, o olhar que pousavas em mim, tudo de ti, até de olhos fechados!

Estou a olhar-te, e vendo-te como o fiz quando te aceitei, sem as nuvens que vieram ensombrar tudo, e que me afastaram do que sentia, dando lugar à razão, para me proteger, para que o caminho fosse mais firme.

Não me venham falar em me deixar ir, em ser aventureira e apenas saborear, porque nesta altura da minha vida já não quero fatias, quero o bolo todo, quero fazê-lo e vê-lo crescer, quero que seja meu para o dividir. da forma que achar melhor.

Que mal tem ser-se exigente, quem pode julgar os que querem receber tudo o que dão?
Porque não podemos todos, apenas olhar para quem nos olha de volta?
O que há de errado com os amores que não usam, que não planeiam, que apenas são o que é suposto, da forma que desejamos todos, porque afinal somos humanos?

Estou a olhar para ti como te julguei ver, e gosto, ainda gosto, mas porque te criei, porque fiz um boneco que me servia, que me estaria tão próximo que tudo o resto seria apenas isso, resto.
Estou a olhar para o homem que julguei ter conhecido e que me fez esquecer o meu passado, o homem que, pela primeira vez, me deixou imaginar um futuro.
Estou a olhar para ti, de olhos fechados, com a minha alma, e a sorrir, para mim e comigo, porque finalmente te posso deixar ir, sem qualquer dor, porque a regra é simples:

Quando vejo, acredito.
Quando acredito, aceito.
Quando aceito, renovo-me.
Quando me renovo, sou a mulher que perdi, por breves momentos, e que se vira para o lugar certo.
Quando estou no lugar certo, já não preciso mais de ti, e volto a ser feliz.
Quando sou feliz posso fazer o que faço neste momento, olhar para ti, simplesmente olhar.

16.6.15

E se amanhã eu já não estivesse?

Red Painted Woman Illustration
Feelme/E se amanhã eu já não estivesse?Tema:Relações!
O que farias se amanhã eu já não estivesse aqui? Como sobreviverias sem mim?

Quando nos conhecemos fomos de imediato, o que esperávamos ambos um do outro. Nunca mais nos largámos, enjoávamos todos à nossa volta, porque não víamos nada nem ninguém, contávamos nós e nada voltou a ser igual até ao momento em que decidimos que teríamos que partilhar as restantes horas do dia.

- Não me canso de ti minha querida. Quero mais. Quero-te toda. Preciso do que me passas, dessa força que me parece ter nascido e crescido mal te vi.
- Estavas à minha espera?
- Não fazia mais nada e não me atrevia a duvidar, porque tu terias que chegar.

Juntaram os trapinhos 8 meses depois, num apartamento decorado por ambos, com todo o carinho que os envolvia, escolhendo cada peça, visualizando todos os cantos onde iriam fazer o amor físico que não os cansava, e nos quais estariam protegidos dos que não entendiam um querer assim. Estão juntos há 2 décadas, sem filhos, por escolha comum, e ainda tão apaixonados que até os mais cépticos desistiram de duvidar.

- Quantas vezes por dia dizes à Ana que a amas?
- Nunca menos de 4, e outras tantas com beijos, com olhares e com mensagens.
- E ela faz igual?
- Por vezes faz mais. Outras não precisa de mais nada a não ser de me olhar mal acordo e acabo a sentir-me, instantaneamente, o homem mais feliz do planeta.

E se amanhã eu já não estivesse? Não temos forma de avaliar, nem eu nem tu, o que aconteceria se nos faltássemos e o que faríamos se num amanhã qualquer os nossos corpos não se pudessem voltar a enroscar.

- Não quero pensar nisso amor, tu vais estar comigo até ao meu final, e não fales assim que me impedes de respirar. Tu sabes que o meu amor por ti só existe porque o teu amor por mim se encaixou, tão bem que abdicaria de uns quantos anos para te ter conhecido mais cedo.

Será que alguns amores são preparados no céu? É uma ideia romântica, mas como não se paga para sonhar, quem sabe um dia não estarei com quem me queira até ao final dos meus dias!

15.6.15

Nem sempre nos unimos pelas razões certas!

Feelme/Nem sempre nos unimos pelas razões certas!Tema;Sentimentos!

Começamos a ter demasiadas pessoas "presas" em prisões emocionais, constrangidos fisicamente, imobilizados por dores que não passam, simplesmente porque estão ao lado da pessoa errada. Tudo leva o seu tempo, claro, sobretudo a percepção de que não estamos no caminho certo e que apenas nos conseguimos manter à tona de água, esbracejando, na maioria das vezes, para não afundarmos.

Nem sempre nos unimos pelas razões certas, e por vezes fazemos escolhas que não serão as adequadas, levados por estados de alma que não se mantêm e que nos fazem ver o que nunca existiu. Uma união não pode ser uma prisão sem barras, nem deverá passar pelo sacrifício de um ou de ambos. Amar e querer estar por perto de alguém, é o que pode fazer tudo valer a pena, os percalços, as derrotas e os revezes da fortuna, tudo será sempre mais suportável, se quem nos agarrar as mãos nos estiver dentro.

Nunca viverei tempo suficiente para entender casamentos de conveniência, e sobretudo medos inflacionados por uma crescente falta de coragem, ou por um comodismo doentio. CARAMBA eu gosto de ser feliz, e sê-lo comigo em primeiro lugar é tão importante, que ao meu lado só poderá estar quem se possa encaixar, tão bem, que não sermos dois se torne uma visão insuportável.

Nunca pronunciei as célebres palavras "até que a morte nos separe" e certamente que nunca o farei, porque existirão mortes que nos manterão tão vivos, quanto precisaremos para nos sabermos amaldiçoados e até que a morte realmente chegue.

Que cenário Dantesco, antes sozinha e dona de mim, do que acompanhada por uma solidão ambulante. Venhamos e convenhamos, quando e se decidir morrer, não preciso que me matem, sobretudo aos poucos, cortando-me em pedaços, porque eu mesma o farei de forma rápida e indolor!

14.6.15

Sabes que nunca chegaste a ver-me dançar?



Quando sou apenas eu, sinto escorrer os pingos de suor pelos meus seios, que não chegam como castigo, mas como uma espécie de prémio de consolação por tanta actividade e pela capacidade que ainda vou tendo de me deixar toda em movimento! Um milhão de coisas depois, vou-me intercalando com os sons que me fazem ter a certeza de que é aqui e assim que quero estar, a cansar-me até que possa voltar ao estado mais "normal", aquele que não assusta os outros. Sozinha, sem que me olhem, sou apenas eu, comigo e com o corpo que me acompanha. Valha-me isso, mas supero-me, não me escondo, largo cada fibra de que sou feita, fico a arfar com tanta entrega, mas nunca paro de sorrir e sempre que olho para o meu reflexo, gosto do que vejo.

Quando sou apenas eu não perco tempo, deixo-me ir, sonho acordada, mas faço acontecer. Quando sou apenas eu, sei que lições preciso de aprender e como me poderei melhorar. Quando sou apenas eu, torno-me ainda mais exigente, e sei tudo o que posso fazer contigo, a ti que ainda não vejo nem tenho, mas que que me estás reservado.

Os meus dias são, sempre que posso, começados assim,  a fazer o que mais gosto, a dar-me o que não preciso de pedir, a olhar-me tão dentro que por vezes receio não conseguir voltar. Quando sou apenas eu, vejo claramente os olhos dos outros e fico, sempre, com duas alternativas, ou aceito, ou me volto para mim.

Sabes que nunca chegaste a ver-me dançar? O que te posso garantir é que jamais voltarias a ser o mesmo! 


10.6.15

Amar sem reservas!

Feelme/Amar sem reservas!


É cada dia mais difícil, sobretudo se as temos nós, nas nossas vidas, deixando que vão surgindo sem muito controle!

Temos algumas reservas quanto às pessoas de bem com a vida, as bem dispostas crónicas, as que sabem rir de si mesmas, sentindo prazeres que aos outros passam ao lado.
Temos sempre reservas quando uma mão amiga se aproxima, do nada, e nos diz que veio por bem, para nos fazer bem, apenas se alimentando do que nos alimenta.
Temos reservas quanto a amores desprendidos, dados apenas porque sim, daqueles que nos mostram o outro lado de nós, e nos conseguem reinventar, trazendo ao de cima o que guardáramos, perante tantas reservas.

Estamos a tornar-nos seres com ambos os pés atrás, dos que duvidam do mundo inteiro, tentando, assim, estar constantemente protegidos, sobretudo das dores, das desilusões, e dos desamores. É lógico que acabamos a perder mais do que ganhamos, e que ao iniciarmos algo, seja de que natureza for, cheios de reservas, já nos estamos a condenar ao fracasso.

Há que reaprender, começando a ensinar os mais novos, os que ainda não estão "marcados", aqueles cujas histórias ainda não passam pelo pior do ser humano, a aceitar que existem pessoas boas, SIM, que não usam os outros, que não se escondem num qualquer canto, à espera dos mais incautos. Ainda existe quem apenas tente, diariamente, ser feliz, usufruindo do que lhe é oferecido, com a plena noção de que o tempo rapidamente se esvai, e nos deixa apenas com memórias, sem pele sem toque.

Eu quero que as minhas experiências sejam maioritariamente boas, ladeadas de tudo o que soube construir e acabou a dar frutos. Quero ser capaz de olhar os outros, sem reservas, acreditando que se sou leal, se tenho bom carácter e se não tenho qualquer intenção de magoar deliberadamente, quem quer que seja, então também existirão seres iguais a mim, e o universo saberá como as trazer.

Já não tenho tempo para perder tempo, já não desculpo, porque posso, quem não se melhora, quem não consegue dar-se, quem apenas destapa pequenas pontas, com receio do que ficará à vista.
Já não me quero magoar com dores alheias, desisti de amar quem não pode ser amado, e vou continuar, como sempre fiz, a ser quem respeito, dando, aos que me rodeiam, o melhor de mim, a cada percurso, sem cobertas, sem refúgios, sendo tão livre quanto fiz por merecer. Quem vier por bem, será bem vindo, assim, sem reservas!

7.6.15

Que poder tens afinal?

adult, adventure, daylight
Feelme/Que poder tens afinal?Tema:Pensamentos!

De que matéria és feito e de que forma comandas a tua própria vida?

Após uma sessão. motivadora, com o multifacetado escritor, Gustavo Santos, percebi que já tenho nas minhas mãos, de há algum tempo a esta parte o que mais importa na minha vida, o direito a escolher, quem, e o que me faz feliz.

Muitas foram as montanhas que escalei, e mentalidades que combati, ficando por vezes tão isolada, que cheguei a duvidar de mim mesma, mas mal percebi o que realmente me fazia feliz, a escolha tornou-se fácil e nunca mais me importei com o que importa aos outros, porque no final de cada dia, caber-me-à sempre a mim, aceitar-me, renovando-me.

Conhecimento é poder, e sabermos como somos feitos por dentro, que alcance têm os nossos sonhos, o que podemos esperar de nós, no que toca aos desafios, ao novo, ao muitas vezes, desconhecido, confere-nos uma nova forma de ver o mundo e quem nos rodeia.
Gosto de gostar das pessoas, das que se superam, saindo do que conhecem para atingirem fins maiores.
Gosto das pessoas bem dispostas, das de riso fácil, das que não se refugiam nas supostas "desgraças" nacionais, fazendo acontecer, usando as mãos e a alma para marcarem a diferença.
Gosto de saber que levo energias positivas, que estou disponível e que, de alguma forma, consigo iluminar cantos mais escuros, libertando medos que foram implantados, muitas vezes sem escolha, passando uma mensagem simples, "se eu consigo, também o conseguirás tu".

Nada nem ninguém chega até nós por acaso, já o aprendi há muito, mas também sei que teremos que ser nós a perceber que mensagens carregam, descodificando-as e permitindo que produzam o efeito regenerador que nos falta. É possível mudar, não importa a idade, é possível sermos mais, crescermos em contínuo e amarmos em dobro. É possível estarmos em primeiro lugar, sendo os mais importantes, e arrastando connosco os que ainda duvidam que se estamos aqui, será para servir um propósito, e eu exijo que o meu seja grande.

Que poder terei eu afinal? TODO, claro

5.6.15

No meu final...

Feelme/No meu final...



Quero que estejas tu, a pessoa que me conhece, que se encaixa em tudo o que faço e que me arranca os medos!

Quando finalmente percebemos quem chegou até nós, o que trás por dentro, de que massa é feita, e a aceitamos, todos os passos seguintes fazem sentido e até as maiores agruras se tornam suportáveis. Tu és assim, descobri-te enquanto te procurava, e de mansinho entraste na minha pele, alojaste-te na minha alma, e o meu coração nunca mais bateu da mesma maneira. Agora bate mais forte, mais determinado, menos na defesa.

Consigo ver-te para além do nosso hoje, em muitos amanhã, a tua imagem surge-me naturalmente, e já não faço demasiadas contas de cabeça. És tu, pronto, do resto trataremos mais tarde, sem dramas.

No meu final vou querer quem saiba o que vivi e de que forma. Alguém que não se importe com as rugas, com a perda de flexibilidade, e que me mantenha o sorriso e saiba como me fazer sentir amada.
No meu final vou querer saber que te dei tudo, que me superei, mesmo quando achava não saber o que fazia.
No meu final vou querer que nunca as nossas mãos se larguem e que regresses comigo, para o lugar onde te voltarei a ter, e onde o que passarmos a ser já não importe.

Não me esqueço de ir agradecendo por ti, pelo tempo que me ofereces, e por tudo o que acrescentas ao muito que já sabia ter. Sei que já estás aqui, agora só preciso que continues e que no meu final te veja primeiro, e por último.

Se estiveres no meu final, sei que já não haverá forma de te perder!

De mim, para mim!

Brown Paper Envelope on Table
Feelme/De mim, para mim!Tema:Cartas de Amor!



Vou escrever a carta que eu gostaria de ter recebido, aquela que deveria carregar tudo o que compõe os sentimentos de quem ama alguém mais do que a si próprio, a carta que provaria, com sons em forma de palavras, que o que importa deve ficar para sempre!

Olá amor da minha vida,

Sinto tanto a tua falta que por vezes até me custa respirar. Desde que te toquei pela primeira vez, tudo o resto deixou de importar, e viver passou a ser uma necessidade, apenas e só porque vives tu, e agora em mim. Não creio que se possa dizer em demasia, que se ama alguém, e eu aprendi a fazê-lo, e a pensá-lo, em todos os minutos, desde que coloco os pés no chão e me preparo para te voltar a ter. Amo-te porque amar-te me faz bem, e me recorda de que é possível ter a outra metade de nós, connosco.

Tu és a mulher pela qual esperei sem saber, ou sabendo-o tanto, que receei não existires. És a pessoa que me conhece e que se preocupa, genuinamente com a minha felicidade, a única mãe que poderei ansiar para os meus filhos e a amante que me fará abstrair de todas as tentações do mundo. 
Tu és a mão suave, carinhosa e atenta, que sempre me toca nos lugares certos, para me aliviar do stress, para me apaziguar as preocupações, ou simplesmente para me dizer, sem palavras, que estás onde estou eu, e que me pertences, inteira, e sem reservas.
Tu és a amiga, a confidente e a pessoa em quem confio, plenamente, porque nunca me magoarás deliberadamente, e nunca te servirás da minha fragilidade momentânea, para me matares por dentro.

A tua beleza faz-me pensar, por vezes, que não te mereço, que és demasiado, e que sou tão sortudo, que perder-te pode ser eminente, mas tu sorris-me, tranquila e segura de que é a mim que amas, então as dúvidas esbatem-se e volto a acreditar que é possível manter-te ao meu lado, a pessoa que me mudará o futuro, aquela que eu soube, assim que entrou no meu passado, que seria o melhor de cada presente que me esforço por prolongar.

Estou a mudar-me com toda a mudança que imprimes em mim, e a melhorar como pessoa, não me descuidando, nenhum dia, de te recordar que serei eu, também, o único homem que precisarás para que todos os outros apenas deambulem ao teu lado, enquanto eu estarei firme, decidido, apaixonado, e cego com tudo o que vejo em ti, por dentro e por fora.

Um beijo prolongado, para que me tenhas todo enquanto me lês.

Adoro-te mulher da minha vida,
E.A.

2.6.15

Já te perguntaste?

Feelme/Já te perguntaste?Tema:Sentimentos!

Já te perguntaste se tens estado, atento o suficiente, para perceberes o que me faz mal e me incomoda? Não me parece meu querido, mas é o que fazem os que sabem o valor do cuidado, do amor sem reservas ao outro, e eu até sei que me amas, então o que falta?

Hábito, empenho, entrega, tudo o que ainda vais aprender comigo, se souberes esperar, se me souberes olhar mesmo, vendo-me. Tudo poderá ser fácil, se levarmos o barco juntos, e para isso só precisamos de estar um pelo outro, e de ir quando fizermos falta.

Já te perguntaste porque ainda não desisti, porque continuo a querer-te desta maneira, mesmo estando mais racional, mais consciente do que representas? Será porque fiz todos os balanços, contas e cálculos, e continuas a pesar para o meu lado?

Gosto de gostar de ti, mesmo que não o diga vezes que te bastem, e estou em vias de merecer o troféu da perseverança, porque me tenho empenhado em ti, e em nós, todo este tempo, com algum retorno teu, mas ainda pouco, e sem muitos planos, porque não me parecem possíveis.

Já te perguntaste o que vais fazer comigo, e se me queres realmente? Se ainda não o fizeste, apressa-te, porque todos nós precisamos de saber de que forma vamos acompanhar a vida, que já corre tão veloz, e sobretudo, como podemos incluir quem surge no nosso caminho e parece valer a pena.

Eu sei que te quero e que vou usar o que estiver ao meu alcance para te manter, e tu?