Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Junho, 2017

Tem sempre custos...

Cada escolha, cada decisão, o partir ou ficar, o querer muito mas mesmo assim desistir, tem sempre custos!

Falarmos dos outros, opinarmos sobre situações que muito provavelmente também não saberíamos como resolver, é sempre mais fácil, já o viver e decidir, isso sim requer perícia, capacidade de encaixe e muita maturidade.

Digo, vezes sem conta, que precisamos de dar tempo ao outro para o perceber e para podermos ajustar as rotas, mas vai disto, e sempre que estamos no olho do tornado, tomamos decisões irreflectidas, desajustadas e na maioria das vezes arrependemo-nos, claro está.

Aceitar, ir com a onda, decidir que podemos e devemos, demora, mas se o fizermos tenho a certeza de que será bem mais simples e natural. As dores, essas virão de qualquer forma, mas fingir que não se vê, ou pelo contrário, ver demais, é que provoca as mágoas que nos corroem e fazem arrepender no final.

Já todos sabemos que as relações são difíceis, mas tudo o que é bom leva por norma mais tempo a conquistar…

Não importa quem teve razão!

Não importa quem teve razão, porque não me apetece lutar mais!

Tivemos momentos enormes eu e tu. Fomos o princípio um do outro, passámos de meninos a crescidos juntos, fizemos muito e deixámos demasiado por fazer, mas já não quero saber de quem é a culpa e não quero lutar mais.

Deixou de doer, agora só tenho as músicas que ouvíamos ambos, as que "dançámos" juntinhos enquanto eu percebia que eras tu que me mudarias e farias querer todas as coisas que acabei a conseguir. Infelizmente a dança abrandou, as músicas deixaram de ser as mesmas e seguimos, cada um, os caminhos que afinal tínhamos desejado. Já não importa quem teve razão, larguei o nosso passado e trouxe para o futuro o que restou de nós, o melhor e o possível.

Não me apetece lutar mais porque existe sempre o tempo de deixar ir e o passado só serve para se meter no nosso caminho. Deixou de doer, no tempo que precisava para saíres do meu corpo, da minha alma, mas jamais do meu coração, esse foi e será sempre teu, parte…

Esqueci-me, respondeste tu!

Esqueci-me! WHAT?

Deixem-me fazer-vos um boneco. Nunca, mas em nenhuma circunstância, se diz a alguém, de quem supostamente gostamos, que nos esquecemos dela porque estávamos embrenhados em qualquer coisa. What the fuck... isso é o equivalente a uma bofetada, com as costas da mão, bem dolorosa como todos sabemos.

Quem é que no seu juízo perfeito, se esquece de quem ama? Força aí, respondam e convençam-me? Querem saber quem o faz? Gajos, claro está. Nós, as mulheres, estamos ainda por determinar se serão bipolares ou basicamente estúpidos e perdoem-me os que não o são, mas levantem lá os braços para eu os contar, coragem, estou curiosa.

Afinal de contas estamos ou não no século XXI? O tal em que existe tanta tecnologia e, muito importante para os incautos, O GOOGLE, vão lá e perguntem o que NUNCA se deve fazer ou dizer a uma mulher, ele responde em segundos, impedindo-vos de gastar os poucos neurónios que possuem.

Pronto excedi-me. Fui cruel, crua, dura, mas é que a paciência não é uma…

Quando o que vale a pena chega!

Nem sempre temos noção da falta que alguém nos fazia, até que passe a pertencer à nossa rotina diária. A nossa busca constante de algo superior, mesmo que de forma pouco racional, leva-nos até aos que nos acrescentarão bem mais do que tínhamos já.

Quando o que vale a pena chega, nós sentimos de imediato. Este lugar que vamos partilhando, de forma mais ou menos intensa, ainda é o que merece ser conhecido e vivido. São inúmeras as pessoas maravilhosas que já conheci, pelo talento e pela entrega e não cesso de me surpreender pelos caminhos que conseguimos cruzar.

Tenho comigo e por perto pessoas de alma branca, sem máculas de maior e cujos sorrisos me reconfortam e asseguram de que ficarei bem. Existem pessoas fortes e determinadas, com percursos difíceis, mas bem-sucedidos e de enorme superação perante as maiores adversidades. São tantas as que não se manifestam, mas cujas auras falam bem mais do que os maiores oradores, que a cada dia eu mesma me torno a pessoa que vale a pena.

Quando …

"Prisões mentais"

Somos todos TÃO diferentes...

É um facto que somos realmente todos muito diferentes, até no que nos iguala, mas o esforço no nosso crescimento terá que ser feito na diversidade. Se o formato fosse o mesmo, apenas mudaríamos de aparência física e acabaríamos mortos de tédio, sobrevivendo no marasmo das mesmas cores. Ser diferente é importante, mas cuidado, também não abusem e parem lá de testar os que até são pacientes, com essas diferenças abismais de mente.

Ultimamente encontro pessoas TÃO diferentes, sobretudo na grandeza de mente, que sinto vontade de dar uns quantos tiros e olhem que não é na minha cabeça. Não posso deixar de sentir que estamos a retroceder a passos largos e vertiginosos e que, tal como o buraco do ozono, já atingimos o ponto de não retorno.

O que anda a maioria de nós a fazer por aqui?

A atazanar os semelhantes só pode, apenas não entendi ainda se é por falta de vida, se por inveja ou simples burrice, mas chega a ser doloroso ver de que forma se infligem dor sem qualquer propósito. Sabem o que…

Correr...

Corrida, não contra, mas a favor do tempo!

Corro usando o chão que vejo pisar para me ajudar a suar as mágoas e a temperar o meu desejo de estar em forma por fora e por dentro. Correr até que o corpo reclame, a mente sinta que foi o bastante e que a permiti focar-se no nada, contando apenas os passos e olhando as figuras que ficavam para trás. Corrida para sentir os cheiros que já vão ficando mais intensos, tanto quanto o sou eu sempre.
Voltar a correr, retomar tempos que me afastam do que me deixa mais vazia e a precisar de renovação. Correr tanto, que deixe de precisar do chão e que tudo se ligue, corpo e mente, eu e o resto do mundo. Correr por mim e comigo!


O que quero agora!

O que quero agora é recomeçar contigo, num lugar onde ninguém saiba de nós. Começar do zero, sem arrastar nada do passado, construindo apenas o que nos importa.

Estar longe é apenas um estado de espírito, não passa por quilómetros, mas sim pela capacidade de nos encontrarmos quando nos fizermos falta. Já nos conhecemos longe, em extremos opostos, em vidas que pareciam não ter como se cruzar, mas a verdade é que ficámos mais próximos e que nos unimos na vontade de não permitirmos que distâncias encurtassem desejos.

Sou capaz de fazer tudo e de me mudar para qualquer lugar, porque não quero desistir de ti, continuo a sentir tão real e tão dentro de mim, que seria loucura assumida perder-te.

Para me manter aqui preciso que me mantenhas tu e que me olhes sempre e a cada dia. Preciso que não pares de me tocar e de me desejar como te desejo eu. Uma relação serão sempre dois na mesma velocidade e intensidade, por isso te peço que me peças para ficar, que me continues a incluir, que não fujas…

Quem me comanda afinal?

Quem me comanda afinal? Tu, que estás bem na minha frente. Tu que tomas sempre a dianteira. Tu que não me largas as mãos, nunca permitindo que arrisque qualquer queda. Tu que me guias como só faz quem sabe o caminho.

Nunca me lembro de entregar a minha vida, permitindo que decidissem por mim e que me provassem saber, melhor do que o saberia eu, como e por onde começar. Agora tenho-te a ti e aos poucos, mas de forma bem mais rápida do que poderia alguma vez esperar, chegaste, entraste e começaste a comandar. Tenho que admitir que a tua força supera de longe a minha e que me sabe bem sossegar, sentindo apenas e podendo, pela primeira vez, parar de pensar.

Sabes sempre onde devemos ir e de que forma podemos ajustar os nossos mundos. Decides o que vamos construindo cada um, ensinando-me a alargar o meu espaço para que possas caber, sem riscos e sem medos, naturalmente, como natural é a forma como sempre me falas.

- Não sei tudo minha querida, não poderia, mas sei que serás tu a ficar e vo…

Em pontas dos pés!

Com os dedos, suaves, a passarem-te pelo corpo, deixando-te a energia que acumulei para os dois. Em pontas dos pés, chegando de forma suave, sem ruídos de fundo para que me oiças apenas a mim e para que prestes atenção ao que vou explicar mal te volte a ter.

Nada como um olhar dentro do outro e mãos que me percorram o corpo sedento, capaz de enlouquecer com um desejo que se acumula e que não espera ser desejado por mais ninguém. Nada como saber que apenas preciso do teu corpo, porque ele já conhece o meu, sabe como o cuidar, o que o liga e faz com que me solte para ti e apenas para ti.

Até que poderia ir sentindo enquanto me falhas. Até que faria sentido, explodir num prazer que consigo sentir, já o sei, soube-o contigo, mas exijo-me a mim mesma, arrepios sinceros, vindos do lado certo, quando no final de tanto amor eu perceba quem sou, com quem o for comigo.

Em pontas dos pés, quase parada, mas deste lado da tua vida e de sorriso fácil, estou eu, tranquila, à espera do que ainda será…

O que fazer, o que dizer ou esperar?

O que fazer, o que dizer ou esperar?

Por vezes temos medo de meter medo e suavizamos, entrando e saindo de mansinho. Outras vamos com tudo o que temos e abrimo-nos, para que não restem dúvidas, mas por vezes nem mesmo assim parece funcionar ou ser suficiente.

Eu sou mais natural e assertiva, digo sempre de que forma espero e exijo ser tratada. Eu não causo dúvidas, não escondo o óbvio, remato e arrumo se for caso disso, ou peço, imploro e corro até que se me sangrem os pés, mas apenas desisto de quem desistiu de mim.

O que fazer quando as tuas costas forem a única parte de ti que consiga ver?
Como te ler e como te perguntar o que não respondes?
Por onde começar e como recuperar o que aparentemente se perdeu, quando te refugiaste em ti?

Se estivéssemos em continentes diferentes não nos sentiríamos tão afastados. Se ao menos se soubesse de que ponto final falamos, onde foi colocado e se realmente nos fez terminar e seguir caminhos diferentes, mas sem nos continuarmos a pensar, ficando tota…

Serem só amigos?

Pois então não...

Elas dizem que querem, mas não te iludas com o que dizem as mulheres, porque as relações de apenas amigos, nunca funcionam, mesmo que elas jurem, de pés juntos, never, nunca, conseguirão que a coisa se mantenha assim. Nada, e eu vou acentuar o NADA, para nós é apenas preto ou sequer branco. As relações precisam de estar definidas e de fazerem sentido. Temos que as conseguir encaixar em algum lado, sabendo a que modelo pertencem. Esmiuçando, comparando e perguntando a todas as que pertencem ao grupo. Merdas de gaja, se é que me entendem. Fizeram-nos assim, nada que nos caiba solucionar.

Os tais amigos com benefícios, as quecas no final de dias complicados, ou de umas quantas bebidas, NÃO RESULTAM, pelo menos não por mais dos que 1 semana e que generosa estou a ser. Ou encontramos um milhão e meio de defeitos no pobre do "amigo", ou pespegamo-nos uma enorme paixonite, daquelas que vão de caixão à cova.

Quando decidires que queres algo de uma mulher, pensa mui…

Como é ser eu?

Ainda há quem vá achado que ser eu é fácil, e que o meu sorriso, ar tranquilo e desenvoltura, são sinónimos de felicidade convicta e instalada, mas a verdade é que luto, tal como todos os restantes mortais, contra mim, contra o tempo e sobretudo contra os inimigos da paz emocional.

Como é ser eu?

Sereu custa-me imensas horas diárias, com um planeamento apertado, mas que deixa margem para ir cuidando dos que parecem alimentar-se das minhas palavras. Incrivelmente, o que digo parece fazer-lhes sentido por isso, e na maioria das vezes com o meu prejuízo, dou e dou, até que se me seque toda a energia. Telefone, blog, conversas longas, filhos, romances (em livro), casa, filhos outra vez, mimos, companhia, mais telefonemas e até pedidos de partilha das minhas caminhadas (mas isso é que nem pensar, alguma coisa terei que manter só meu).

Não me estou a queixar, não agora, porque já cheguei a acordar cansada, depois de me ter deitado ainda mais cansada, mas já me orientei de forma a que sobre a…

Diz-lhe, o que te faz sentir!

Diz-lhe, o que te faz sentir. Sussurra-lhe quantas palavras forem precisas para que o coração dele bata mais forte, falando-lhe de tudo o que sentes, o quanto acabaste a amá-lo e de que forma o sol e a lua passaram a nascer nos seus olhos, iluminado os teus logo de seguida.

Diz-lhe, sem medos, o que representa para ti. Pensa menos, debita bem mais e no final, no final logo se verá. Diz-lhe que te muda até o acordar, fazendo com que tudo o que terás que enfrentar, seja mais suave. Diz-lhe que é ele, que sempre foi, e que acreditares tornou tudo muito mais fácil. Diz-lhe que todas as tuas palavras são com ele e por ele. Diz-lhe que os teus sorrisos são mais bonitos e genuínos porque a sua imagem nunca te abandona, nem nas coisas mais pequenas, nem nos assuntos que aparentemente não o envolvem.

O teu receio, de que se tornasse apenas mais um homem, igual a todos os outros, não se revelou, talvez pela forma como o passaste a amar, ou talvez porque tenhas percebido, finalmente que tinhas en…

Do que é que precisas?

Do que é que precisas e como te posso ajudar a continuar?

Perguntaste-me se seria capaz de esperar por ti, se já teria aprendido a amar-te devagar, e eu respondi-te que sim, por isso esperei, e aceitei muitas respostas vagas, muitos silêncios carregados, nos quais te conseguia ver numa outra vida, rodeado de pessoas que sempre fizeram parte de ti e das quais não te consegues libertar, nem queres.

Soube amar-te, por ti, sem que me tivesses trazido nada, vendo apenas o que precisava e olha que preciso de muito pouco, mas a verdade é que mesmo amando devagar, não sei, porque não me ensinaram, aceitar a tua incapacidade de apenas olhares para mim, sem me veres realmente.

Nunca me lembro de ter obrigado quem quer que seja, a fazer o que quer que fosse.
Aprendi a nunca forçar amores, apenas me dou e espero, como é meu direito, receber de igual forma.
Deixei que sentisses o sabor de quem ama e como se pode estar quieto, mas a ferver de desejo.
Acabei a ter, mesmo assim, o que estas letras juntam…

Como se sabe quem é a pessoa certa?

Como se sabe quem é a pessoa certa?

Sabemos se ouvirmos com atenção e se conseguirmos parar de perguntar o que na maioria das vezes nem sequer tem resposta.

A pessoa certa é que nos deixa de coração tranquilo, com a sensação de que chegámos e que o nosso caminho sempre foi o que acabámos a percorrer. A pessoa certa é quem nos permite continuar como nos construímos, apenas ajustando, encaixando, não precisando de lutar e parando de nos defender.

Soube que eras tu quando percebi que se não te tivesse, não valeria a pena. Entendi-o quando me tentaram tocar e surgiste tu, porque o teu olhar e a tua boca na minha, fez o toque tornar-se tão natural que parecia ter-te pertencido sempre.

Não vou recear que não dure, nem dizer que "logo verei", porque já sei e já sinto, tal como sinto os meus dedos agora, que a minha pele que se arrepia apenas com a ideia de ti. Vai durar sim. Vamos ser os dois no nosso futuro, naquele que já começámos a construir. Sei que és tu porque não deixei de t…

Verdades!

O que mudou quando eu mudei!

Sabem o que mudou, verdadeiramente quando eu mudei?

Quase TUDO. Mudou a forma como olho para o que já sei ser mais importante. Mudou a determinação e o foco, agora é bem mais fácil seguir em frente. Mudou a forma como faço as perguntas. Mudou a minha vontade de mudar constantemente, para melhor.

Que sinais são visíveis na minha mudança?

Mesmo que cansada, estou a cada dia mais serena e mais atenta. Sei quem me serve. Sei quem me acrescenta e quem me diminui. Estou muito mais sensitiva e sensível e é por isso mesmo que me protejo com afinco.

Acreditem que foi planeado e muito trabalhado, sem timings e sem muito rigor, mas com todo o que bastaria para ver resultados, porque de cada vez que "cresço" emocionalmente, atraio o que me enriquece.

As mudanças são momentos e tempos, e a cada um podemos ir chegando mais longe. Quero e preciso de criar com consistência, sendo ao final de cada dia quem vale a pena conhecer e eventualmente ter, e só desta forma vale a pena andar por aqui!

Liberdade, tranquilidade e segurança!

O que é que nos pode, verdadeiramente alimentar?


A liberdade, porque significa que conseguimos pensar, sabendo o que queremos e quem somos. Todas as escolhas, mesmo as erradas, deverão passar sempre por nós, não abdicando delas em nenhum momento e sabendo que mesmo tendo que ceder por vezes, estaremos e seremos nós.

A tranquilidade, de cada vez que nos revermos nas decisões que tomámos, porque mesmo com medos maiores ou mais pequenos, não nos deveremos recusar a avançar, a experimentar o novo, saboreando o que não conhecemos.

A segurança, essa vem da força, dos caminhos que experimentamos e que passamos a percorrer até de olhos fechados. Vamos ajustando rotas, afastando as pedras e cedendo ao novo, mas parar nunca deverá ser a opção.

Olhando para trás, vendo o que fomos e o que somos, conseguiremos perceber de que forma e por que razão já somos assim, feitos de uma tranquilidade tão segura que apenas poderíamos ser livre!

No passado fica o passado!

No passado fica o passado!


Eu sei que por vezes tentamos e voltamos a tentar, achando que ficou algo por fazer ou por dizer. Eu sei que se não nos esgotarmos, bem como a todas as possibilidades de nos acertarmos, poderemos nunca mais voltar a ter paz. Eu sei, porque o senti, que fechar os ciclos, recomeçando, será sempre mais saudável e natural.
No passado fica o passado, tal como tiveste que ficar também tu. Se não encontrámos forma de prosseguir, espero apenas que tenhamos usufruído de todo o presente que sentimos, de forma intensa e sonhadora.
Vou querer poder olhar para trás e perceber que evoluí. Vou querer recordar a chama com que quase me queimaste, mas que deixámos apagar, eu e tu. Mas também vou querer deixar-te no meu passado e continuar.

No passado fica o passado, até mesmo quando foi bom. O que tínhamos quando "tropeçámos", não poderá repetir-se, mas para memória futura servirá certamente. Tu és o meu passado, mas continuarás de forma ténue e sem qualquer dor, no f…

Ela...

Via-a sempre chegar depois do trabalho, mudara até às rotinas só para poder, à varanda, apreciar todos os seus movimentos. Achava-a demasiado sensual para ser real, os cabelos que esvoaçavam enquanto de forma apressada ia tirando as coisas do carro, tornando-se ainda mais apetecível.

Que poder tinha aquela mulher, cujo nome ainda não pronunciara? Porque o prendia assim a um desejo que julgara apagado? Onde estivera toda a sua vida?

Segurava a chávena do café, esperando que se esfumasse mais um dia e que no seguinte parasse outra vez até de respirar, só para a olhar, mas eis que de repente levantou a cabeça e olhou para ele.

O mundo parou de rodar, sentiu-se infantil, pequenino, preso para sempre, sobretudo quando os seus lábios se moveram para o que lhe pareceu um sorriso. Tinha uma boca maravilhosa e ele sorriu-lhe de volta.

Existem momentos, pedaços de tempo que juntos mudam vidas, abanam estruturas, renovam-nos e nos trazem de volta. Existem pessoas que sabemos serem para nós assi…

Eu escolho ser mais do que precisas!

Eu escolho manter-me a mulher que viste e reconheceste. Eu escolho escolher o melhor de mim, oferecendo-me a quem conta, a ti. Eu escolho ser mais do que precisas, porque apenas assim saberás que não me ter não te serve.

Não quero o tudo sozinha. Recuso o muito sem ti e vou-me mantendo, quieta, mas à espera de que mesmo que não na medida certa, mesmo com mais do meu lado, o teu se vá quebrando e aceitando. Não quero apenas querer, mas ara já vai ter que servir.

Tanto que me lembro do que nem tu terás forma de esquecer, e tanto que sinto falta da falta que te fazia. Tanto que nos prometemos e nenhum se viu capaz de cumprir, mas tanto que ainda podemos fazer.

Eu escolho ser mais do que precisas, porque de outra forma já não estaria por aqui e nada, mas mesmo nada do que fizesse teria qualquer sentido. Eu escolho amar-te, mesmo que não entendas o que me motiva. Eu escolho ser o muro que impedirá a derrocada e aqui me manterei até que ele caia realmente, ou que juntos o saibamos fortalecer…

Investir numa relação!

Se ao menos conseguíssemos investir numa relação tanto quanto o fazemos profissionalmente, gastando as mesmas horas. Se ao menos enviássemos e recebêssemos emails cheios de explicações, indicações e direcções para que o outro pudesse chegar até nós, ver-nos e entender melhor o que realmente esperamos. Se ao menos cuidássemos dos sentimentos tal qual cuidamos de uma empresa, com agenda apertada, objectivos e reuniões de grupo...

Porque é que entramos a horas e ficamos para mais tarde, levando a "casa" na qual trabalhamos diariamente no coração, mas quase nunca carregamos quem realmente importa, a pessoa que nos poderá mudar a vida, partilhar os sucessos e apoiar nas quedas? Não existirá remuneração nem subsídios de férias ou de natal, mas haverá aconchego na cama que não queremos demasiado grande, teremos a partilha de um duche quente no qual poderemos sentir os beijos molhados, com entrega, mãos que nos percorrerão o corpo tão familiar.

Se metade da nossa vida, só que fosse…

Onde é que eu fico em tudo isto?

Onde é que eu fico em tudo isto? Onde é que me encaixo no muito que continuo a querer fazer, supostamente para mim e por mim?

Julgo que por vezes me excedo. Corro quando poderia apenas caminhar. Amo quando me bastaria gostar e espero sempre dos outros o que consigo dar, mas não sei ser de outra forma, não quero ser de outra forma, gosto de mim plena, intensa, verdadeira e lutadora. Ou me têm assim, ou não terão nada, nem migalhas, que essas, deixo à gata!

A vida testa-nos e atira-nos com pessoas e situações que não dominamos, e a diferença passará sempre pela forma como as encaixaremos, o que iremos tirar daí e o que nos restará no final. Nunca procuro demasiadas respostas, confio no que sinto, na pele que se arrepia, nas vozes que se me entram dentro, nos olhares que me mostrarem quem se esconde por dentro e muito poucas vezes me engano.

Aí vou eu, em mais uma viagem na montanha russa, pronta para subir até ao limite, do céu e o meu mesmo, mas onde é que eu fico em tudo isto? Espero …

Sou uma mulher!

Sou uma mulher e já faz já algum tempo que deixei de ser uma miúda, de sentir o mundo como se ele me pertencesse, de não ter medos e de fazer apenas o que me dita o coração. A vida agora, como mulher, cobra-me que seja ponderada, que pense antes de agir, que não me deixe ir, que me cuide e pise terrenos firmes.

Não deixei de acreditar, mas tornou-se tudo muito mais "pesado", complicado e assustador,  porque o que quer que faça, diga, escolha ou decida, terá um resultado, uma consequência e poderei magoar ou ser magoada.

Enquanto mais jovens, não sentimos tanto a necessidade de nos protegermos, de pensarmos demasiado, decidimos e seguimos o vento. Somos mais autênticas e livres. No entanto, hoje conheço-me melhor e consigo gerir a menina-mulher, a que nunca se permitirá deixar de sonhar, mas que sempre que ao acordar e pousar os pés, o fará com verdade, entrega e mais sabedoria. Agora sou mais eu, a mulher que tanto procurei e finalmente reconheço.

Sou uma mulher, é facto inco…

Pequenos grandes momentos!

Pequenos grandes momentos. Tive alguns hoje. Caminhei segura, tranquila, a senti-me sorrir por dentro, tanto, que não consegui evitar que os meus lábios o espelhassem, mas na verdade não me importei, e se alguém reparou, de certo sorriu de volta!

O início da noite, ainda quente, convidou-me a passear por uma cidade que embora iluminada está algo apagada. Já ninguém caminha sem pressa, apenas a usufruir do que as estrelas têm para oferecer, escutando o rio que continua a correr, apesar dos desgostos e misérias humanas. Senti este chão que já piso faz alguns anos, todos os mais marcantes da minha existência, mas que insisto em não considerar meu e que continuo a desejar largar, deixar ir...

Este lugar é mesmo lindo, mas não me preenche, não basta para que se me esgotem as energias que acumulo de cada vez que largo o corpo cansado, a mente plena e recomeço os dias. Estou decidida a criar mais momentos assim, só meus e em que os meus silêncios falarão bem mais do que todas as palavras que…

Não consegui evitar, hoje não...

Não consegui evitar deixar de estar nostálgica hoje. Não consegui evitar não te recordar. Não consegui evitar deixar de sorrir perante a ideia de te voltar a ter!

Nunca julguei que a sensação de um ciclo que não se fechou continuaria a roer-me por dentro e que mesmo tropeçando aqui e ali em novos amores, o teu retornaria mais forte e jamais deixaria de me atormentar. Quando nos apaixonamos com a alma, o corpo fica sem conseguir resistir à ideia de ter conseguido, contra todas as possibilidades, encontrar quem sempre desejámos ver e ter. O meu amor vai ficando assim, perdido na ideia de um beijo, sentindo a tua falta, mas desejando não parar de te desejar.
Não consegui evitar querer imaginar o que seria e como seria se estivesses aqui, se parasses de te negar, tomando-me uma e outra vez até eu não conseguir sequer implorar-te que parasses. Não consegui evitar porque nem sempre é fácil arrancar-te de mim,
Por vezes fico perdida e só. Por vezes vou-te sentindo e querendo, gritando por ti …

Não vai ser fácil tirar a capa da segurança!

Já me começas a saber ler como ninguém, a entender de que forma sou e o que escondo até de mim, para estar sempre em controlo e para parecer quem  afinal nunca fui.
Não vai ser fácil tirar a capa da segurança, a que me impede de me tornar como o comum dos mortais. Não vai ser fácil permitir que os sentimentos aflorem à pele, deixando de controlar os sons que desesperam por sair de mim, sob a forma de gritos, com os decibéis que poderão até partir os espelhos que olho a cada dia, cuidando para que esteja tudo igual. Não vai ser fácil ouvir-me a mim mesma, esquecer-me por algum tempo da imagem que construí de mim, abrir os braços, respirar fundo e deixar-me ir.
Se eu ao menos fosse contigo como sou quando me liberto a dançar, quando não controlo os meus movimentos e permito que saia tudo, tudo o que sei que sou, mesmo que te assuste, a ti e a mim. Mesmo que acabemos a descobrir uma mulher nova, com sentimentos tão profundos e reais que não parecem caber num mundo como o meu. 


Tenho medo…

Como terminam os meus dias?

Como terminam os meus dias? Nunca começam iguais, mas terminam da mesma forma, com a cama a agigantar-se, mesmo achando que já é demasiado pequena!

Quando o silêncio se instala, e por vezes a vontade de ter tempos apenas meus chega, acabo apenas a perceber que estou demasiado sozinha e que a barreira que criei para me proteger, só tem servido para me manter vazia. Que falta me fazes. Que vontade de partilhar contigo os meus dias, de me aninhar no teu peito, ouvindo bater quem me recebeu mesmo antes de ti. O teu coração falou ao meu, e juntos decidiram que se amariam e manteriam juntos. Vamos ver se sabem do que falam.

Como terminam os meus dias? Terminam comigo a querer mais, a desejar que o vazio se preencha, e que tudo que produzo e construo para mim, possa ser dividido e multiplicado.

Quando eu estiver pronta e tu também, estou certa de que os dias irão terminar de forma diferente. Os nossos corpos juntos, bastarão para mudar tudo o resto. Se te tiver serei mais forte, e os meus sor…

Anda e parte-me o coração!

Anda e parte-me o coração. Eu sei que é o que me vai acontecer, tu és assim e acabas a deixar rasto por onde quer que passes e comigo não será diferente.

Gosto de ti, muito e mais de cada vez que te olho. Estás sempre igual e diferente, ou prefiro eu pensá-lo para que não me demova de te procurar, de te sentir e ter de novo. Já tiveste o melhor de mim, dei-te tudo, fui tudo, e mesmo sabendo desde o início, que serias o meu desassossego, as noites mal dormidas e os dias a tentar resistir-te, a verdade é que corro de cada vez que chamas.

Anda e parte-me o coração, outra vez, mas permite que me continue a sentir viva e a saber que sou mulher sempre que me olhas e desejas. Nunca serás apenas o que aconteceu, és o hoje e o amanhã que vou manter, assim o decida o teu coração. Não fujas do que já sabes ser bom e permite que te deixe completo como eu apenas eu sei. Não pares de esperar por mais, porque ele virá de mim e levar-te-á o sabor que tão bem conheces. Não desistas de mim nem do que re…

A única coisa que eu queria e que precisava...

A única coisa que eu queria e que precisava, falhaste em entender!

Foram tantas as vezes em que me disseste que não te entendia. Que os teus pequenos-nadas deveriam ser grandes para mim, porque te completavam e porque eram o que te compunha. Acusaste-me tantas vezes de te fugir, desviando o olhar do que me pedias.

Olho para trás agora e reconheço que não te coloquei onde deveria. Não me esforcei por te ler e estive mais centrada em mim e no que precisava, mas porque tudo acontece por uma razão, o que não houve, o que não te dei ou disse, foi porque metade de mim sabia que não eras tu e que não tinhas como me tranquilizar.

Eu sei o que querias e o que eu deveria ter feito para também lá estar, mas o amor não tem pesos, não tem dores, não é fácil, nem nos deixa sem questionar, porque amar mesmo, sentindo que é o outro, do outro lado de nós, faz sentido, tranquiliza e apazigua todos os medos. Sobretudo de nós, do mundo, de falhar e de não chegar até onde o outro precisa.

A única coisa que…

Já aprendi...

Planos, para mim!

Planos, para mim. Mudanças ou acertos de rota,  são-me essenciais. Quando determino que preciso de mudar e que não estou bem, poderei até protelar, mas jamais permitirei que saia da "lista".

Preciso de mudar, MUITO. Estou irrequieta, não me consigo alimentar e satisfazer intelectual e fisicamente. Não quero estar quieta, quero movimento, rotinas sem uma rotina que me prenda, mesmo que ao de leve, ao que os outros convencionam ser certo. Eu sou eu, enlouquecendo quem me conhece e convive com as minhas variações de humor e de amor. Se não estão capazes de me acompanhar os passos, eu acelero até que fiquem bem para longe, lá atrás, para onde não me atrevo a virar a cabeça. Sou excelente a terminar com o que já morreu, a seguir e a prosseguir.
Os meus planos hoje, estão mais gigantes e definidos do que ontem, mas não tenho como evitar um medo de chegar onde já me vejo, porque nessa altura, caramba, nessa altura muito poucos permanecerão comigo!

Até quando não esperas!

Até quando não esperas, o que não teria como ficar termina e o que não te pertencia deixa de te poder continuar a tocar. Até quando não esperas, o amor como o sentias acaba por acabar e leva, inevitavelmente partes de ti. Até quando não esperas, o que te diziam ser verdade sabe ao sabor das mentiras, mas pelo menos soube a alguma coisa real.

Estar do teu lado, sabendo que é mesmo comigo que queres ficar, era o que me alimentava. Ter de ti o que mais nenhum outro conseguira, deixava-me à espera de tanto, que ser eu era o que fazia sentido. Saber que era fácil e que não tínhamos que nos explicar, explicava até a forma como chegámos um ao outro.

Se não deveria ter sido assim, então eu não poderia ter-te amado como consegui. Se não nos deveríamos ter conhecido, viver seria tão mais pequeno, que prefiro saber que te perdi a nunca te ter tido. Se o que encontrámos quando estávamos ambos perdidos nos ajudou, então não temos o que lamentar.

Até quando não esperas, a parte certa de ti encaixa-s…

Esta sou eu!

Esta sou eu. Há muito que deixei de ser menina, mesmo que não esteja bem dentro da idade que me acompanha e que faz o que sou agora!
Quando me olho nos espelhos que me rodeiam, não encontro semelhanças com o que sou por dentro, mas entendo que apenas poderia estar no lugar em que me encontro hoje, por já ter algumas décadas a mais. Estou sem dúvida mais sensata, analiso-me melhor, consigo tranquilizar-me com mais frequência, mas ainda não afinei tudo. Estou quase, quase lá, no entanto ainda percebo quando me olho com mais atenção, que o meu fogo consegue consumir-me mais do que deveria. Que a minha ânsia de chegar a todo o lado não me deixa como usufruir sequer de mim mesma. Que precisava de saber desacelerar e que não me deveria exigir tanto. Que não posso nem tenho como ser perfeita e que isso deveria bastar-me como resposta.
De que massa sou eu feita afinal? Porque quero tanto em tão pouco tempo? Porque não me liberto de mim para respirar melhor?
Pois, esta sou eu. Por etapas e vou…

Eu sei que estás à espera!

Eu sei que estás à espera que chegue a avaliação oficial do que vi, de como te senti e do que acho que vai acontecer. Eu sei que percebeste, que ainda tenho alguma estrada para andar, mas não estou receosa do que possa chegar, agora sou uma outra mulher e tenho a sensação de que vivi umas quantas vidas em apenas alguns meses, por isso, sim, estou pronta.

Gostei, isso também foi perceptível. Deixei que me tocasses, raro em mim, sobretudo num primeiro encontro, mas a verdade é que foste tão natural, que apenas tive que te seguir e correu bem. Gostei de não haver tempos, de nunca termos olhado para o relógio e de estarmos, nitidamente, prontos para nos prolongarmos até que se nos secasse a boca. Em relação à boca, a tua encaixou-se bem na minha. Não vieste nem demasiado ansioso, nem com qualquer receio da minha reacção, surgiu naturalmente, encaixando-se como uma vírgula na conversa longa, para que descansássemos um pouco e para que pudéssemos respirar. Correspondi, fechei os olhos e não…

O sonho comanda a vida!

Quando se encontra!

Quando se encontra quem nos ilumina a vida, nos dá esperança para continuar, nos faz acordar, completos, o certo terá que ser mantermo-nos por perto, parando de lutar contra fantasmas, aceitando que também pode chegar para nós, o que fomos pedindo em muitos silêncios, sonhando acordados e tentando encaixar momentos, todos os que importam!

Nunca poderá ser errado, sobretudo se nos faz sentir bem. Quando se encontra quem trás tudo o que precisamos e nos dá o que já nem nos atrevíamos a pedir, temos que acertar o relógio, temos que nos despir de medos, dos que até já fizeram sentido lá atrás e simplesmente começar a viagem.

Ninguém sabe do que é feito quem chega, quem nos deseja tocar, quem se mete, na pele, e em cada órgão que não controlamos, porque possui movimentos próprios.
Ninguém sabe a duração da viagem, mesmo que o destino seja a última estação.
Ninguém parece encontrar apenas o que procurava, porque com a pessoa certa vem mais, sempre muito mais.

Quando se encontra o que sempre …

Claro que é complicado!

Claro que é complicado. Claro que entre nós os dois, algo nos fará repensar muitas coisas e recear outras tantas, mas "lamentavelmente", nem que os continentes se separem, eu continuarei a desejar que sejas tu!

Não adianta, querer fugir do que me faz feliz, o meu futuro é contigo dentro, de mansinho, depressa, a planear cada passo, ou a não planear porra alguma, apenas a deixar-me viver,

Claro que é complicado ajustar as bagagens e conseguir reparar no que repara o outro, mas olhando cada pedaço, não descurando nenhum desejo, acreditando no milagre da vida e na capacidade de dizer a verdade que nos manterá juntos. Claro que é complicado, mas aprenderemos ambos a não parar, a não voltar a desistir e a manter o que importa realmente.

Mesmo que seja complicado, eu vou continuar a esperar que os ajustes cheguem, que o desejo se transforme num amor que nos manterá de mãos dadas, lá mais para a frente, segurando-nos firmes, não querendo largar quem tem o que precisamos os dois. Qua…

Mágoas de paixão!

Mágoas de paixão. É o que herdamos, muitos de nós, mágoas seguidas de uma paixão não correspondida, ou mal conduzida!

Torna-se difícil gerir os medos dos outros, as bagagens que passaram a carregar e as relações que não funcionaram antes de nós. Podemos sempre tentar condescender, fingir que não vemos, aquietando-os, e assegurando-lhes de que não os repetiremos, mas como nisto dos relacionamentos nada é amanhã da forma como começou hoje, prometer por si só é um enorme risco.

Já é tão pesado, e por vezes quase impossível, sararmo-nos a nós mesmos sem ajuda, quanto mais fazê-mo-lo aos outros, sem entender o seu percurso completo, nem de que armários lhes vão saindo os fantasmas. O que se torna, verdadeiramente doloroso, é perceber que passaram a rotular todos da mesma forma e que pararam de acreditar na felicidade, arrastando quem se atreveu a amá-los, sem qualquer aviso ou compaixão.

Se consideram que estão "doentes", com feridas demasiado abertas, então coloquem um sinal de …

Corre...

CORRE se o que te disser não te entrar de forma tranquila e se te soar a falso. CORRE sempre que não te ponha no lugar certo, porque todos o temos e porque de outra forma não pode existir uma relação. CORRE quando tiveres que te esforçar para que se esforce ele, quando precisares de dizer para ouvires. CORRE se passar bem sem te tocar, se a tua pele lhe importar porque a tem, mas se viver bem sem ela, porque o tocarão de alguma forma com outras mãos, sem ti.

Ele vai tentar puxar-te de novo, de cada vez que perceber que lhe foges e sempre que sentires que já não te serve.

Queres um conselho óbvio?

 Tu até sabes que se não é logo intenso no início, quando é suposto estarmos a borbulhar de paixão, com uma intensidade que cansa de tão incontrolável, então nunca o será. Não te quero dar palestras sobre como amar o outro, porque todos o saberemos já e se alguém não o conseguir fazer da forma certa, então ou não ama, ou não precisa de ser amado.

Sabes o que mata um amor?

A quebra de confiança.…

Loucuras de um apaixonado!

Olá princesa,

Certamente que será a última vez que te "chamarei" assim, porque não o deixarás e eu até que entendo.

Tens razão, desisti de ti. Fui cobarde e não consegui grandeza emocional, suficiente para lutar por ti. Ainda consigo ouvir cada palavra tua, ditas de forma tranquila, arrastada, sem qualquer emoção, simplesmente porque tinhas deixado de te preocupar. Senti tão forte a tua desilusão, o teu desapego, que soube de imediato que já nada me poria de volta onde consegui estar, quando quase te convenci de que eu era o homem certo na tua vida.

Perdoa a minha masculinidade latente, sou gajo e por essa razão, incapaz de argumentar até que caísses de exaustão. Fui incapaz de me manter firme sem nunca me cruzar na mente a ideia de desistir. Eu sei que quando alguém vale a pena, quando o que desejamos é real e quando o caminho passa por um determinado lugar, desistir nunca deveria ser a opção.

Mas o que fiz eu?

Pois, não fiz, deixei-me ficar, calei-me, parei no tempo, gelei…

Quem procurou quem?

Quem procurou quem? Quem encontrou o que procurava? Quem soube, sempre o que precisava para estar completo? Quem acabou a chegar mais perto, mesmo estando mais longe que muitos?

Eu não te procurei, já o sabemos os dois, mas também sabemos a razão, quais eram os meus medos e dúvidas. Tu não me pertencias e não era a mim que querias.
Eu até que quis saber de ti, mas ao de leve, apenas para olhar e recordar, não esperando muito mais e estranhando TUDO o que chegou.

Quem procurou mesmo, foste tu e acabaste a encontrar-me. Por tua causa, os meus dias nunca mais foram iguais, mudaram como mudei eu, em todos estes anos, tantos que até custa repetir. Quem procurou, tu neste caso, sabia porque o fazia.

Não sei para onde vamos, nem se vamos bem, mas para já o percurso promete. Fácil? Não, não será mesmo. Desafiante? Muito, e obrigará a imensos ajustes e jogos de cintura, mas eu danço bem, espero que tu também.

Quem procurou quem?

TU, mas eu estou-te grata, porque a cada dia vou sentindo a falta que m…

Vamos dançar?

Vamos dançar?
Chamaste-me com o olhar, senti-te na minha nuca e virei-me. O teu sorriso e a mão estendida disseram-me que querias dançar comigo, e eu fui devagarinho, a mover o corpo que já sentia agarrado por ti, que eu iria encostar tanto, que se fundisse no teu, que sentíssemos ambos, todos os pedaços que são de cada um, mas que pertencem aos dois.
Ainda só tenho a tua mão, mas estou tão próxima, agora, que a tua respiração chega aos meus cabelos e entra na minha boca aberta para ti, misturando-se para que passemos a ser apenas um.
Sei que te estou a deixar desconfortável, excitado, com um desejo que depois não poderei conter, mas insisto, jogo um pouco e finalmente permito que me abraces, pela cintura, puxando-me com uma força que controlaste, mas que fez com que os meus pés quase saíssem do chão.
- Estás a picar-me miúda, olha que depois vingo-me.
Já não oiço a música, quero apenas que não me largues, que me mordas, assim, dessa forma tão suave, e ao mesmo tempo a passar-me uma dor qu…

Pensamentos!

O que quero dizer quando já disse tudo?

O que quero dizer quando já disse tudo?

Haverá sempre mais um pouco de nós, umas quantas pontas soltas que me farão recordar de tudo o que tivemos, do amor que sentimos e como foi que o vivemos. Nunca poderei dizer tudo mesmo que já tenha dito muito. Não imagino o silêncio entre nós, não enquanto aqui dentro do que me move, as palavras ecoarem num grito que me ensurdece.

Quero dizer que me lembrei de ti num pequeno grande pormenor. Quero dizer e foi o que fiz, que a importância do que tivemos não morreu, não como o amor que deixaste ir. Quero dizer que foi de ti que me lembrei assim que pisei o chão do local que tantas vezes nos recebeu. Quero dizer que ainda continuas em mim, mesmo que de forma mais tranquila, mas a seres a pessoa que gostaria de poder abraçar quando feliz e de olhar quando não soubesse o que fazer. Quero dizer que a tua serenidade me faz falta, até na distância que nos impuseste. Quero dizer e foi o que disse, com outras palavras, que te amo e isso ainda se vai mante…

Estou de volta!

Estou realmente de volta e pareço ter vivido numa bolha durante dois dias e meio. O que tanto parecia precisar aconteceu realmente e foi, por incrível que pareça, às portas da minha casa. Abstraí-me das ninhas dores diárias e deixei-me levar, sem pressas, para um tempo bem anterior ao meu.

Depois de um gentil convite feito pela Biblioteca Municipal, Câmara e direcção do Convento de Cristo, alguns autores do concelho participaram de um seminário de escrita num ambiente completamente surreal. Nem eu de mente fértil seria capaz de imaginar um cenário tão digno de um romance épico. Pernoitar no Convento. Ter como guia o curador do nosso património mundial, o aquitecto Álvaro Barbosa, passando-nos explicações e histórias apaixonadas, comoventes devido a tanta entrega e verdadeiro respeito pelo legado dos que já pisaram cada pedra bem antes de qualquer um de nós, fez-nos sentir, a todos como os seres mais privilegiados do planeta.

Não estou a exagerar e muito provavelmente não terei forma d…

Se deixares, eu mostro!

Deixa-me mostrar-te quem sou de cada vez que te sinto. O que tenho dentro é bem maior do que se vê e entende, mas posso sempre tentar.

Não queiras explicar tudo, reserva um pouco ao destino, ao acaso e até a coisa nenhuma, mas vive enquanto sentes, e sente enquanto aceitas.

Se me deixares eu mostro qual o tamanho do que armazenei para ti!



Quem és tu?

Quem és tu?

Já me fiz essa pergunta vezes sem conta. Já analisei, olhei por dentro e por fora, durante muito tempo, mas não demasiado e a resposta passou a ser clara, tu és quem eu quero, mas não és de quem preciso.

Tens o poder de me tirar o ar e de me deixar sem rumo. Consegues desviar-me do importante e levar-me a desistir até de mim, apenas para te poder ter. Incendeias o meu desejo de ser amada, porque isso sempre soubeste fazer bem, tão bem que acabei a querer-te mais do que realmente precisaria de te ter. A verdade é que quero ter-te mesmo que não dependa de nada que venha de ti, nem para ser feliz. Quero poder sentir o que sentias por mim. Quero ver-me no reflexo que vem de mim através de ti. Quero saber que sou a pessoa que movimenta a tua pessoa e que te leva até onde mais ninguém conseguiu. Quero tanto, até de precisar de ti, sempre e para sempre, mas a verdade é que não preciso.

Não preciso de quem me vire do avesso e me faça questionar tudo o que faço. Não preciso de quem …

Se te sentes bem...

Se te sentes bem, passas o melhor aos outros. Se pelo contrário a tua vida balançar e se as tuas prioridades não se definirem, acho que todos sabemos o resultado!

Por norma dou comigo a travar batalhas que nem sempre venço, que me provam o quanto sou mortal e de que forma controlo muito pouco, mas também vão servindo para me permitir continuar em frente, para me reajustar e repensar as estratégias. Não sou, nem de perto nem de longe, sabedora de todas as respostas. Tento, mas vai na volta, dou comigo a "gatinhar", a arrojar-me no chão frio, sempre que não acerto, sempre e de cada vez que leio e interpreto de forma errada...

Acredito no entanto, que se não fosse desta forma, se não fizesse por levar a minha avante, se não persistisse quando a vontade por vezes é desistir, os resultados não seriam os mesmos e eu acabaria a lamentar-me, isso já não faço. Penso, determino como, e vou em frente, não tenho sequer alternativa, porque no final de cada dia, o balanço é feito por mim …