Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Julho, 2017

Nunca fico na escuridão muito tempo!

Nunca fico muito tempo presa na noite, na escuridão que por vezes me envolve e da qual nem eu consigo fugir Preciso de luz e vou buscá-la onde tiver que ser, porque nunca consigo ficar muito tempo com a alma negra. Vejo sempre para além do meu sofrimento, alinhando-me com o essencial e nunca arriscando achar que TUDO o que é injusto acontece para me punir.

Preciso de seres que brilhem mesmo quando nada parece valer a pena. Preciso dos que saem da sua zona de conforto e vão à procura do que afinal as trouxe aqui. Tenho um medo atroz de me deixar cair e de que me arrastem para a escuridão, cedendo aos amargos de boca, vendo-me como uma vítima, quando já percebi que sou o fruto de todas as minhas escolhas e que só colho o que semear. Sei que nem sempre é assim, mas quando falhar, como falham todos, apenas terei que saber aceitar e entender que não nascemos de igual forma. O primeiro respirar e chorar, o sorriso que virá da pessoa que nos acolherá e até a estação do ano, tudo contribuirá …

De volta ao sonho!

De volta ao sonho, mas como se estivesse na cena de um filme, acabei a ver-te. Todos os teus contornos, bem perto tal como ao teu sorriso e soube logo que eras tu, tal como ainda me lembrava. Foi tão real que eu juraria não estar a sonhar!

Por vezes fugimos da realidade porque cada uma das suas cores nos apagam a alma e o sonho será o mais próximo que chegaremos de quem queremos realmente. Quando a minha realidade me invade, só quero estar de volta ao sonho, tocando-te de cada vez que te desejar e não precisando de fingir o que não sou, porque "ali", para ti,  serei transparente e o tempo deixará de existir como o conhecemos, pelo menos até que volte a acordar.

Regresso, noite após noite, ao lugar no qual tenho controlo e sei que jamais arriscarei perder-te. Regresso para retomar do ponto onde ficámos, cada toque, as conversas suaves, longas e sem qualquer pressa. Regresso, porque ali é o único lugar onde me esperas mesmo. Regresso, porque na minha realidade não sei se me ama…

TODOS se parecem contigo!

TODOS, mas todos mesmo, se parecem contigo, por onde quer que eu ande!

Vejo-te sempre onde não estás nem poderias, só porque a minha mente não sossega e faz o meu coração bater a mil de cada vez que pareço voltar a ter um pedacinho de ti e sempre que quase pareço rebentar com a tua falta.

Onde andas tu?
Porque fugiste de mim, quando eu era o que precisavas e tu sabia-lo.
O que vamos fazer agora, já que sei que nenhum de nós conseguiu o que tínhamos juntos?

Hoje voltei a ver-te. "Ele" tinha um sorriso tão parecido, movia-se como o fazias tu e todo o meu corpo se imobilizou, senti que gelara e tentei ensaiar o que te diria quando te aproximasses, mas não eras tu, não ainda...

Porque continuas a assombrar-me? Porque te deixo ficar quando até já sei que não voltaremos a ser nós?

Fico irracional.deixo que me doa até a alma e TUDO o que senti e vi em ti, volta tão forte como se nunca tivesse terminado. Deixo-me ficar muitas vezes no chão frio e choro, até que chorar já não me alivie m…

A vida vai sorrindo...

A vida vai sorrindo se deixarmos, se estivermos alertas e se soubermos como. Por isso tenho-me deixado conduzir por mãos mais cheias, com corações prontos e com uma sabedoria que supera a minha, sim, porque eu não sei tudo, nem preciso!

Estou a aprender a vigiar menos, a controlar menos, a ser menos presente para os meus, mas estando na rectaguarda, apoiando sempre que o solicitam, mas abstendo-me de oferecer trabalho feito.
Estou a aprender a confiar nos meus instintos, a deixar-me ir, a saborear o que me chega e a presentear-me também, sem que me sinta mal por isso. Estou a viver enquanto vivo, a olhar mesmo, sempre que olho para algo que nem terá que ser novo. Estou a desejar mais e melhor.

Acabei a dar-me permissão para me sentir intensamente, sendo apenas eu mais vezes, indo onde desejo sem culpas, usufruindo do que antecipo, correndo para onde tenho direito, estando mais vezes comigo, em lugares que não me protegem, mas estimulam. Parece simples e natural, mas não o será para u…

A força que nos move impede-nos de desistir!

Criar barreiras emocionais e tomar decisões que nos desliguem do que já nos magoou, ou não acrescenta, não é para todos e nem todos serão capazes de o fazer. Saber do que precisamos e quem não nos faz falta, vem com um misto de uma solidão extrema e de um desligar que nada mais consegue, alguma vez voltar a conectar. Sabermos que teremos que continuar a ser apenas nós, no decidir e no sentir, atira-nos para um lugar que os outros não reconhecem, mas que nos assegura que estamos prontos para enfrentar o mundo.

A força que nos move impede-nos de desistir e eu não desisto de tudo aquilo em que me tornei. Não desisto de ser pura de sentimentos e de dar na proporção do que recebo, para o bem e para o mal. Não desisto de amar quem me alimenta o amor, porque sem ele nada mais me restará. Não fui sempre feita desta força. Não fui sempre fria o bastante para afastar quem quase me impediu de continuar a acreditar. Não nasci isolada de olhares que não se fixam, mas aprendi a não olhar para trás,…

Quem é nosso connosco permanece...

Quem é nosso connosco permanece até ao fim do tempo como o conhecemos. Quem é nosso connosco permanece até que não precisemos mais de andar por aqui. As partes que fazem sentido colam-se sempre de forma intensa, e tantas vezes sem que o consigamos explicar. Quem é nosso tem um cheiro e um toque que nunca confundimos, porque está-nos implantado e foi-nos reservado para preservar.

Conseguimos sobreviver até às maiores tormentas, desde que acompanhados por quem nunca nos abandona, mesmo quando é difícil e sobretudo quando precisamos. Somos capazes de esperar e de manter o que os dias e a vida fustigam, se estivermos do lado certo e se não desistirmos. Temos como ultrapassar até o mais duro, saindo incólumes, ou apenas com alguns arranhões.

Quem é nosso connosco permanece até que já não seja preciso perguntar mais nada!

Pensamentos!

Nothing you do changes anything!

Nothing you do changes anything! Sometimes that´s how life operates. You seem to have no power, no will, not enough dreams to live the only dream that makes sense.

I don´t want to believe that there´s nothing I can do to have things done. I don´t like the feeling of hopelessness that always invades me when I don´t succeed. I don´t like not to choose. I don´t like not liking my chances.

I hear lots of people saying the same, over and over again, that nothing you do changes anything, believing it sticks to your skin and prevents you from trusting life and love. I can always do something, even if doing nothing becomes the answer, because I wont let go of my power. It´s my life, and I am the main character, today and always.

Nothing you do changes anything if you do nothing!


Pensa sempre duas vezes antes de desistires!

Não permitas que a tua incapacidade de veres mais longe te impeça de ires mesmo, mais longe. Pensa sempre duas vezes antes de desistires e olha, com toda a certeza, para a porta que pretendes fechar, porque ela poderá nunca mais ser aberta. Pensa duas vezes pelo bem de tudo o que já viveste e te deixou a flutuar, com tanta felicidade. Pensa duas vezes, isto é sério, antes de desistires e mede cada palavra que usarás, elas ficam gravadas na alma e matam qualquer sentimento.

O mais fácil não tem que ser o melhor e por vezes somos apenas nós a complicar. Tudo o que chega de forma intensa dá trabalho e requer muita paciência e atenção. Não estarmos na mesma sintonia ou linha energética do outro, não torna as relações impossíveis, apenas força a mais atenção e entrega. Quando desistes a meio, mesmo depois de teres provado sabores que nunca acreditaste existir, estás a negar-te o que te acrescentaria e tornaria melhor. Avalia e repensa o teu coração como se estivesses a gerir uma empresa a…

Todos nós já tivemos o coração partido!

Todos nós temos um lugar na vida de alguém, mesmo que seja o último, aquele que se usa quando mais nada está para ser usado. Todos nós já provámos o sabor da indiferença, do adiar do que importa para nós e do incerto. Todos nós já esperámos pelo que nunca foi dito, ou que o foi tarde demais.

Ninguém consegue consertar o que não vês como partido. Ninguém impede que nos magoemos, irremediavelmente, quando não nos conseguem sentir ou desejar o suficiente, não como o desejamos nós. Ninguém nos apara as lágrimas quando choramos sem saber como parar, porque até mesmo quando as palavras soam bonitas, nem sempre carregam o que já precisámos, tanto, de ouvir.

Assim como não se impede a chuva de cair, e que falta fazia ela agora, também não mandamos no coração dos que tocam o nosso e o desfazem em mil pedaços.

Todos nós já tivemos o coração partido e não houve nada que pudéssemos fazer para o evitar, porque ele tem uma vontade que nos transcende e porque se aventura por caminhos que desconhecemo…

Pensamentos!

Nas noites onde apenas estou eu...

Não planeei demasiado para lá do meu futuro, mas tenho que confessar que ser apenas eu, nesta altura da minha vida, não era o que desejava. Não vislumbrava noites, tantas, onde apenas estivesse eu, mas elas são a minha maior companhia agora.

Nas noites onde apenas estou eu há tempo para tudo, porque ele é apenas meu e não o divido. Tem pedaços bons, de uma enorme paz e não tenho que repetir o que já sei e deveria saber quem amo. Tem momentos demasiado solitários e dolorosos, mas é o preço a pagar por escolhas erradas. Tudo se reverte, se tivermos força que baste e sonhos que cubram o que sozinhos não parecemos capazes de fazer. Nada precisa de ser demasiado permanente, sobretudo se não nos deixa completos. Nas noites onde apenas estou eu, já não existem sobras de qualquer passado, por isso mesmo consigo reproduzir o que o dia me ensinou, sendo sobretudo mais paciente e consistente com o que sou agora. Nas noites onde apenas estou eu e já são muitas, reservo-me tempo para pensar e rep…

Já não é igual!

Já não é igual e nem pode, porque também deixámos de o ser nós. O que tanto sentia por ti já não é igual. A pele arrepiada e os beijos molhados e quentes e até o abraço quando chegavas, já não é igual. O querer já não é igual e tanto que eu te queria. Fazer amor contigo certamente que já não é igual, mas nem isso sabemos.

Nós somos o resultado das nossas escolhas. Somos o sol e a lua no mesmo instante, tal como transformamos o dia em noite se não estivermos felizes. Nós somos sempre muito mais do que mostramos, porque carregamos dentro sentimentos que nem todos entendem. Nós somos o que já imaginámos juntos, mas acabámos como começámos muito antes de o sermos, sozinhos.

Já nada é igual e eu não o sou certamente. Acabei por chegar onde nunca me tinha visualizado e terminei no ponto oposto daquele em que seria quem já conheceste. Estou mudada e quero acreditar que para melhor. Estou mais serena, mas também menos crédula e disponível. Estou a cada dia mais igual à metade de mim da qual fu…

O que está certo é querer quem nos quer!

O que faz sentido é estarmos em sintonia, nós, eu e tu. O que nos interesse é sermos ambos o que faz falta ao outro, mas sendo-o verdadeiramente para que nunca nos sintamos a falta!

O que está certo é querer quem nos quer, procurando pelos mesmos lugares e ficando de cada vez que nos peçam. O que está certo é querer quem nos quer, porque não adianta correr atrás de quem não nos vê e apenas impede de chegar onde já deveríamos estar. Sempre que nos forçarmos a fazer a volta ao contrário, apenas adiaremos o que já estava certo assim que prestámos atenção. Nós queremos o lugar no pódio, o prémio merecido após termos sido capazes de percorrer cada um dos percursos, com intensidade e determinação. Nós precisamos que precisem de nós, ou que nos permitam ir embora sem que tenhamos que olhar para trás. Nós merecemos tudo, porque se assim não for, metade de nós permanecerá à procura da metade errada. O que está certo é querer quem nos quer, vendo no seu olhar apenas certezas, porque de cada vez…

Lembro-me...

Lembro-me ainda, das palavras fortes, cheias de ódio, que nos largámos a ambos e da tua fraqueza quando saíste pela porta de onde nunca mais te voltarei a ver entrar. Lembro-me de como chovia, dos trovões que se sucediam aos relâmpagos que iluminavam tudo à sua volta, até mesmo a nós, dois seres tão feridos, que nem o amor que carregáramos antes conseguia sossegar a tempestade interior.

Permitimos que se acumulassem culpas, que o tempo nos empurrasse para vários amanhãs, nos quais deveríamos ter sido capazes de falar sobre o que nos doía. Permitimos que falhássemos ambos, na nossa promessa de nos contarmos tudo e de nunca adiarmos o que só acabaria a crescer de forma descontrolada. Permitimos que num único momento, que eu nunca mais esquecerei, nos afastássemos um do outro e desistíssemos do que mais ninguém tinha e que tanto nos custara a criar.

Foi num dia assim que nos conhecemos, mas dessa vez a chuva abrigou-nos o interior que estava demasiado atormentado para sentir a tormenta l…

Como é que fazes?

Como é que fazes? Como passas para os outros o que já completaste, a forma como tens vivido, os teus sonhos, as conquistas e as derrotas? Será que pensas em te perpetuar e em ficar para que te recordem e sintam a falta? Como é que fazes para manter os que importam, e será que os cuidas, o bastante, para que precisem de precisar de ti, do que és e como és para cada um?

Em que momento da nossa vida começamos a pensar no que ficará para depois de nós, para quando já não estivermos aqui? Não sei se chega com a idade, ou tão simplesmente com a vontade de não acabar quando acaba o corpo, a matéria, e apenas restarem as histórias, o que deixámos, o quanto mudámos vidas, ou tão simplesmente quem amámos.

Não passo os meus dias a pensar no que deixarei, meu, mas tudo muda quando penso nos meus filhos e em como preciso que me vejam quando já não estiver entre eles, mas lhes tiver deixado, TUDO, o que necessitarão para saberem que foi de mim, comigo e por eles que os cuidei como só eu podia, e qu…

Nada melhor do que os balanços!

São tantas as voltas e reviravoltas que damos diariamente, que por vezes nos esquecemos de nos analisar. Nada melhor do que os balanços para que possamos ver o que construímos ou destruímos enquanto caminhávamos. De cada vez que perdemos uns quantos segundos a olhar para todos os outros que consumimos, ou perdemos, entendemos com clareza o que estamos a fazer por aqui.

Temos que reservar uns momentos no dia para nos restabelecermos e repensarmos. Temos que ser capazes de corrigir rotas mal calculadas, ou de simplesmente continuar em frente com enormes certezas. Temos que estender aos outros algum do sentimento que tanta falta nos faz, para que vá sobrando o que armazenaremos para momentos menos claros.

Nada melhor do que os balanços, para que as respostas às inúmeras perguntas possam ser dadas. Nada melhor do que alguma humildade, para interrompermos o fluxo de solidão que arrisca instalar-se, se não nos soubermos travar. Nada melhor do que querermos ser melhores, para que o consigamo…

Consistência para que te quero?

Agarrei-me sempre, com unhas e dentes, à explicação de que tudo o que fazia teria que ter consistência e tinha-a realmente. Sempre tive determinação na forma de olhar as coisas e as pessoas, mas acabei finalmente a perceber que posso mudar e que o que foi ontem, hoje já poderá ter novo formato e cor. Já aceito que se as luzes se acendem no final de cada dia, é para que possa continuar a ver, mas com novos contornos, com o conforto de ter conseguido sobreviver a mais um e de ainda estar pronta a continuar!

Ser consistente, exige-se sobretudo na forma de querer quem nos quer, de amar quem desejamos, de cuidar de quem nos muda e nos faz olhar para tudo o que afinal sempre esteve à nossa volta. Mas há que mudar o tom e o volume da consistência quando com ela vier a dor, a mágoa, sempre que os minutos se arrastarem pesados e nos roubarem a energia, os risos e a vida tal como a conhecemos.

Afinal também posso ser volátil, e em nome do que me fizer bem, posso reavaliar e decidir que quero as…

E se eu precisasse de ti agora?

E se eu precisasse de ti agoraE se o teu número fosse o único que eu quisesse marcar?

Pensamos demasiado. Avaliamos tanto e apenas para nos convencermos a não fazer o que nos faria falta. Eu sei que me acontecia imensas vezes e a qualquer hora do dia pensar em ti e querer ligar-te, mas não o fiz, não podia ndm teria como.

Por vezes basta uma música e tudo volta. As memórias de tempos em que estávamos tão dentro um do outro, que quase arrisco dizer que mais nada aconteceu, e que até as guerras de que padece o mundo pararam. Por vezes fico para aqui a pensar se te recordas de mim, ou se já te sossegaste, enquanto me desassossego eu.

Fiquei com vontade de ti. Das nossas longas conversas. Das tuas indecisões. Do amor que dizias sentir por outra mulher e que não conseguias calar, enquanto deste lado eu me arrepiava com o medo de te querer tanto que acabasse assim, a necessitar de uma droga que me magoava, mas sem a qual não saberia viver.

Já não escrevia sobre ti há muito, mas hoje, do …

Está bem, eu vou!

Está bem, eu vou! Se não arriscarmos nunca chegamos a viver, e a verdade é que estar com alguém não arranca qualquer pedaço e até poderá ter o poder de mudar a nossa visão!

Consegui perceber na tua voz a forma como foste apanhado de surpresa. Nunca tinhas parado de insistir e de me tentar convencer que precisávamos de nos conhecer, de partilhar algumas das confidências que já fazíamos pelo telefone, largando de vez a segurança que a distância sempre nos confere.

Vou de mente aberta, sem qualquer avaliação ou julgamento, apenas para usufruir de ti e do que já "vives" comigo. Vou para multiplicar o tempo que nos cabe aos dois e do qual podemos dispor, sem reservas.

- Vou-te buscar e vais-me prometer que terás a mente aberta, e que não usarás de nenhuma desculpa para que terminemos o que já deveria ter sido feito. Preciso de te olhar, de ver de que forma os sons que já conheço, vão saindo dos teus lábios. Preciso de saber como são os teus tiques e se estarás tão tranquila ao vi…

Tenho sempre mais palavras!

Olá meu querido,

Aqui estou eu em mais umas quantas palavras, a lembrar-te de mim e a passar-te o que continuo a sentir, esperando que assim me tires de ti mais devagarinho, menos em cada dia, para que possa continuar a sonhar-te.

Sinto a tua falta, como desejo que sintas de mim. Sinto a falta do teu toque, do som da tua voz e de saber que acordavas à minha espera. Sinto a falta do muito que já tive contigo, dos olhares que cruzávamos e mantínhamos intensos um no outro. Sinto falta de ti, hoje tal como ontem, porque ontem falei de ti, do teu sorriso, da forma como me vias, tão dentro que até duvidava de mim mesma e falhava entender que mulher era essa que te fazia vibrar assim. Falei da minha vontade, em muitos anos, de me entregar sem demasiadas reservas, aceitando embarcar na tua viagem, sonhando cada um dos teus sonhos, alguns bem atingíveis, nos quais me incluías até nos lugares que esperavas mostrar.

Aqui estou eu uma vez mais, a dizer que te amo. Que sou a mesma, que te quero n…

Como é que nos despedimos?

Como é que nos despedimos? Como se diz a alguém que terminou sem que doa demasiado?

Não existem fórmulas nem receitas mágicas. Todos nós somos apenas o que queremos ser e ficamos infelizes se tentamos fingir, se usamos máscaras e paramos de ser livres. Eu sei que quero liberdade, mas que a sinta verdadeiramente, sem mágoas de mim. A solução será continuar a fazer o caminho e a não olhar demasiado para trás, ou apenas o suficiente para saber onde não voltar a pisar, depois sim, depois é esperar que o nosso discernimento consiga funcionar em pleno e que nos leve finalmente até à chegada, à meta.

Tanto que ainda preciso de aprender, com imensas milhas num percurso que terá que ser algo sinuoso, de outra forma não valeria a pena, nada teria o sabor esperado, com sal e especiarias a aromatizar cada emoção, aqui já sou eu a aligeirar...

Como é que nos despedimos, sobretudo de nós? Como é que encerramos capítulos para conseguirmos abrir novos?

Por vezes as perguntas chegam em catadupa, mas se…

Quando tudo passa a fazer sentido!

Vai chegar o dia, na vida de alguns mortais, em que conseguirão entender o mundo pelas leis que o regem e será aí, num igual ao de hoje, mas tão diferente de todos os outros, que tudo passará a fazer sentido!

Tu és o que pensas e sentes, e de cada vez que sentes de forma negativa, pensas erradamente no que te rodeia. Tu e apenas tu podes mudar a sintonia e entender que terás mais do mesmo, sempre que usares apenas as tuas experiências para explicar o que não consegues. Tu serás o responsável pela tua abertura de mente e quando acontecer, a liberdade e a paz que te envolverão serão como um raio de luz direccionado para o que não tinhas forma de ver antes, porque não estavas pronto.

Qual é que é o segredo afinal?

Acreditar. Sentir sem julgar. Amar incondicionalmente e olhar para o outro, aquele que te importa verdadeiramente, como queres ser olhado. O efeito boomerang muda a percepção deste pedaço de mundo. Mais do mesmo. Muito para ter mais e menos para não receber coisa alguma.

Vai se…

Não estar só!

Não estar só. Poder ter a tua voz ao acordar, logo que o dia começa, é o que me faz avançar e conseguir segurar todas as pontas que mantenho soltas. Não estar só significa ter alguém que mesmo estando do outro lado, mude tudo. Alguém que segure os silêncios ou que os apague fazendo-nos rir, falando do que nos agita por dentro, ou simplesmente partilhando palavras que nos sosseguem a alma.

Estar só será um estado interior, porque até podemos ter um mundo em volta, mas sentir um vazio que nos impeça de funcionar em conjunto, falando de forma automática e usando, tal como o faço eu, as palavras certas para que ninguém me questione. É desta forma que acabam a achar que está tudo no lugar certo, não conseguindo sequer perceber o quão agitada e incrivelmente desesperada me encontro.

Não estar só tendo quem venha quebrar o que me deixa quieta,  preenchendo algum do meu espaço, mas não demasiado, para que me permitam escolher como e com quem possa ser apenas eu. Nãoestou só a maioria das vezes …

Tu és inesquecível!

Tu és inesquecível. Tal como uma dança, onde nos encaixamos de forma sincronizada, bem um no outro, a saber cada passo e sem precisar de instruções. Vamo-nos apenas movendo em cada movimento, dois corpos que vão para além da dança, que se acertam na vida e que sabem para onde ir.

Temos a música certa, a mesma que conseguimos ouvir e dançar, permitindo-me, olhar-te, elegante, majestosa, tão minha, durante todo o tempo que dura cada batida, tornando-te inesquecívelTu és inesquecível pela forma como me amas e não te recusas a dizê-lo, tocando-me por dentro e por fora e fazendo de mim o homem mais afortunado do planeta. És inesquecível porque te assentas em mim, tão bem, quando pousas cada pedaço de um corpo que já explorei senti e toquei, impregnando-me de ti. És inesquecível porque a tua respiração chega, compassada, descontrolada, quieta e inquieta, seguindo cada ritmo, quando dançamos, falamos ou nos amamos. E como eu te amo, de forma tão desesperada, num medo de que me possas esque…

Será que sabes como me enlouqueces?

- Será que sabesde que forma me ligas todos os botões e me enlouqueces antes mesmo de te tocar?

Sempre que ele me falava assim eu acabava a morder os lábios. A minha respiração disparava e controlar-me tornava-se incontrolável. O João também sabia de que forma me enlouquecer de desejo e de antecipação. Ele conhecia-me melhor do que ninguém e por esse motivo arrancava e deitava fora a minha necessidade de me esconder, de fingir que não sentia desta forma tão intensa, deixando-me simplesmente nua e vulnerável.

- Hoje vais ser minha até me cansar de te respirar. Minha até que a tua pele te arda e as coxas se recusem a abrir-se para mim.

Fui violentamente empurrada para a cama. Vi-o imponente, enorme, sobre mim e fechei os olhos. Sabia o que viria a seguir e tive um medo incontrolável de gritar, porque fazê-lo significaria ter-me perdido ou largado deste mundo.

O que o João me proporciona não se parece com nada que tenha jamais sentido. É novo, estranho, aparentemente perigoso. Tem um sa…

Estar bem todos os dias?

Estar bem todos os dias? Não consigo, claro. Impossível, afinal de contas também sou humana, ou não?

Hoje acordei assim. Produzi imenso já e ainda só vamos a meio, mas arrastei-me sem demasiado ânimo, mecânica como odeio ser, a não precisar de parecer bem, ou sequer bonita, mas ironia do destino, ligam-me a convidar para um café rápido e como é que fui? Como estava e nem sequer me importei muito.

- Estás bonita, como sempre.
- A sério? Opá, que capacidade a minha afinal, vou ter que me cuidar menos vezes.

Ninguém consegue estar em "cima", sempre e a cada dia.
Ninguém consegue ver o mundo com cores brilhantes, a toda a hora.
Ninguém é tão magnânimo, que tenha a capacidade de aceitar os outros como são, com a sua pequenez e falta de visão, sem dizer raios e coriscos, sem gritar que não tem paciência, que é demasiado para uma pessoa só. Aqui eu aceito que sou mais intragável e menos condescendente, TODOS os dias, caramba, também não podia ser tudo bom.

Não estou bem todos os di…

Outono na alma!

Até podes estar, down, de outono na alma, mas ainda assim capaz de continuar e de aceitar o que não te chega. Por vezes as músicas são de inverno, mais quietas, deixando-te com pouco pelo qual te moveres, mas ainda assim capaz de dançares.

O outono tem cheiros e cores que nenhuma outra estação iguala e com ele vem a renovação, talvez por isso o sintamos assim com a alma um pouco mais carregada. As folhas, de vermelho ouro, iniciam o que o verão terminou. O calor. A esperança. Os dias longos e a vontade de ir mais longe e de adormecer mais tarde. Podes estar de outono na alma, mas o que não podes é desistir.

Quando os dias forem menos brilhantes, usa-os para reavaliares quem és e o que esperas de ti, primeiro de ti para que possam chegar todos os outros. Quando e sempre que não fores capaz de te rires, sorri, mesmo que para dentro e entende que sentirás sempre mais do mesmo que sentires agora. Quando estiveres sem palavras, usa o olhar e sê tu mesma, quem te amar saberá o que ler e com…

Lutar não vale!

Estou a começar a fazer como os ursos, a preparar-me para hibernar e por isso preciso das minhas energias todas. Assim sendo e a partir de agora, estou TERMINANTEMENTE proibida de as gastar estupidamente!

Lutar não vale porque ninguém muda ninguém e só aprendemos o que nos fizer realmente falta. Por norma olhamos para o lado contrário e fingimos que não estamos a ver. Eu sempre fui apologista do livre arbítrio, cada um saberá de si e do que espera da vida, mesmo que seja de NADA, e por NADA entendo não ser livre emocionalmente. Quem se mantém preso a grilhetas, desculpando-se com as "impossibilidades", nunca poderá responder por si. Nunca terá, na boca, o sabor que deixa a capacidade de ser dono, ou dona, do seu próprio nariz, mas quem sou eu para julgar.

Há gente para todos os gostos, feitios, carácter e falta dele, por isso não há do que reclamar, se um prato estiver frio, escolhe-se outro. Estou cada vez mais prática, e não consigo deixar-me levar em histórias, seja do Pi…

Pensamentos!

Se visses o meu amor, também a amarias!

Se visses o meu amor, a mulher que recebi, como se de um presente dos céus se tratasse, também aamarias!

Com ela o céu nunca fica escuro e nada do que desejamos ambos chega a morrer. Com ela eu sou até o que nem conseguia imaginar e melhoro o que iniciei erradamente. É por ela que reavalio o que faço e mudo o que não estiver bem. É com ela que vou até ao fim do mundo, mas volto, porque terá que ser aqui, neste canto que nos pertence, que deveremos continuar juntos. Sem ela já não sei o que fazer, nem como, porque tudo o que faço a trás no pensamento.

Eu sei que este amor e esta mulher nunca me farão arrepender da coragem, do desassossego e dos caminhos que percorri para a poder ter. Ela concorda comigo, não protesta por nada, porque nada a carrega de forma errada. Não poderia, ela é a mulher que amo. Um amor como o nosso não tem forma de ser apago ou questionado, ele encaixa-se em cada pedaço do que somos, tão certo, que recuso pensar no que era antes de a conhecer.

Se visses o meu amo…

De lá para cá!

De lá para cá, numa relação que parecia ter tudo para dar certo, mas eis que chegaram os dramas e desistimos os dois, sem embaraços aparentes mas com alguns amargos de boca.

Por vezes parece que não fazemos mais nada do que andar de lá para cá, em múltiplas relações, tentando sempre que apareça a pessoa certa e que se consiga, em algum momento, parar de procurar. Já perdi a conta ao número de "candidatos" ao lugar de honra, não os tive a todos, mas imaginei-os, com o seriam se os tivesse permitido entrar.

Não tem resultado, pois não? Não mesmo. Estas coisas dos sentimentos e das emoções, não se controlam, não se esperam, recebem-se nas alturas menos certas, ou nas que o parecem ser. Já tive corridas nas quais QUASE cheguei à meta, e outras onde não passei sequer do ponto de partida e do que até parecia ser algo que valeria a pena.

Ninguém sabe nada, nem domina coisa nenhuma. No amor somos quase todos, cegos, surdos e raramente suficientemente mudos, por isso há que continuar,…

2+2= a quê exactamente?

2+2= a quê exactamente?

O resultado não será igual para todos, desde que não se encontrem no mesmo plano, com as mesmas intenções. O que é claro para mim poderá não ser para ti, desta vez não o foi, e acabei a assustar-te. Julguei que tínhamos tudo. Começámos o namoro da única forma possível para os dois, completamente apaixonados, vendo-nos mal nos vimos. Construímos o nosso ninho e acreditei, sempre, que serias a mulher certa, a minha mulher, até ao dia em que te ofereci o anel.

Cada objecto, cor e lugar, foi feito com consenso, entre muito amor, risos e brincadeiras. Era na nossa cama que visualisávamos o nosso futuro. Pelo menos era o que fazia eu, incluía-te, cuidava-te, gastava os meus dias a amar-te como nunca tinha amado ninguém, mas não te bastou, não foi o que desejavas e já nem sequer entendo o que poderias desejar tu.

Onde foi que perdi os sinais? Será que me foquei demasiado em mim, no que me fazia feliz e deixei de olhar para ti?

Certamente que tiveste momentos de dúvida,…

Apoio incondicional!

Apoio incondicional! Um colo que se procura quando o mundo nos fustiga. Alguém a quem abrimos a alma e libertamos as fragilidades. O lado melhor de todos os nossos lados e a pessoa que nos completa nas diferenças, nos olhares que carregam outros caminhos, nas vontades que se juntam e formam outras tantas que passam a ser comuns!

Os amigos começam bem lá atrás. Conhecem as nossas histórias. Fazem parte delas e participam em quase tudo, estando nos momentos mais difíceis e celebrando os melhores e mais importantes. Uma relação pode bem começar pela amizade, porque ela sim sustenta tudo o resto e impede o amor de quebrar. Quando gostamos e respeitamos alguém de forma clara e genuína, mesmo quando discordamos, estamos lá, não nos falhamos, não nos viramos as costas e nunca deixamos palavras por dizer.

É um privilégio, a cada dia maior, ter quem saiba o bastante de nós para nos amparar na queda. Alguém para nos acomodar o coração cansado. Para estender as mãos num toque que nos dará a cert…

Podemos sempre recomeçar!

Podemos sempre recomeçar e apanhar o que ficou algures esquecido. Podemos reencontrar vidas e sentir as pessoas que afinal fazem parte de nós, mas que falhámos ver!

Hoje tive uma dualidade de emoções, a felicidade de reencontros adiados e o motivo, menos agradável, que nos juntou a todos. Sei que temos que acumular tesouros reais, permanecer próximos de quem completa o puzzle, usufruindo do que cada um poderá trazer, afinal de contas corremos com o mesmo sangue, sonhamos a mesma carga de felicidade e queremos o que nos é devido. Somos tão iguais, em toda a diferença e beleza que herdámos, que bastarão umas quantas horas e nada voltará a ser como antes.

O tempo tem servido de desculpa para muita coisa, mas cabe-me a mim, a ti e a todos, restaurar o que já tivémos, apertando os laços, unindo-nos no muito que ainda temos para descobrir. Antecipo muitos risos, abraços sentidos, histórias que vieram de lugares comuns, mas que seguiram em direcções opostas.

Podemos sempre recomeçar e por vez…

Ter um amor tranquilo!

Ter umamor tranquilo. Daqueles em que sabemos qual é o nosso lugar, o que se espera de nós e o que teremos do outro. Um amor que não nos deixe a pensar e a repensar sobre o que nos magoa, que venha e se instale como se já nos tivesse pertencido sempre e sem o qual não teremos nem razão, nem vontade de continuar.

Quando temos um amor tranquilo, aprendemos a amar com muito desejo, com a mesma entrega, mas mais devagar e sem sobressaltos. Permitimo-nos continuar com os meus hábitos e tempos, incluindo o outro no lugar que lhe pertence. Amar é muito mais do que as palavras que sopramos e os corpos que juntamos sempre que temos oportunidade. Amar vai para além de todos os beijos que roubamos e nos acrescentam um desejo que não se esgota. Amar é tudo isso, e é sobretudo a tranquilidade e a paz de espírito que nos concedemos quando sabermos onde estamos.

Terum amor tranquilo mesmo continuando num mar revolto que poucos aguentam. Terum amortranquilo com tudo o que se consegue imaginar, largand…

Quero encher-te de mim!

Quero encher-te de mim tanto, que até te custe mover o corpo que vou querer prensado no meu, esmagando-me contigo, cheirando todos os teus cheiros, enchendo-te dos beijos que não consigo segurar, abrindo a tua boca com a minha e deixando-me ficar!

Já sei de que forma me alimento dos teus pedaços, por onde decido iniciar os meus dias, mantendo-os e prolongando-os até que me esgote de ti, se esgotar alguma vez chegar a ser possível. Desde que te tive, não consigo ultrapassar a tua falta física, dói-me por dentro cada minuto, ou hora, em que me afaste da tua massa, da tua génese, dos milhões de circuitos que passaram a ligar o teu corpo ao meu. Não tenho qualquer receio de precisar de ti desta maneira, fui eu que escolhi pertencer-te, fui eu que entendi serem os meus percursos mais autênticos se estiveres comigo e serei eu a decidir como superar as tuas ausências.

Ainda não me consegui encher de ti, nunca tive tempo, momento ou capacidade de dizer que estava completa e que não queria mai…

Para que sorrias!

Desde que passaste a pertencer-me, desde que percebi o quanto tudo o resto deixou de importar, os meus dias tornaram-se teus e fazer-te feliz, vendo-te sorrir, passou a ser a minha missão!

Para que sorrias serei capaz de me apagar, de correr pela chuva, enquanto me ensopa e fustiga. Sou capaz de deixar de sentir para que sintas tu, porque eu consigo suportar tudo, consigo deixar que me usem e que o último pedaço de chocolate me seja roubado. Consigo que me façam perceber que não tenho razão e que não poderei ganhar todas as batalhas, mas que poderei continuar a fazer-te sorrir. Vou manter-me firme, neste desejo de te saber feliz, de que saibas para quem voltar no final de cada dia, para que todos os teus medos se diluam e me vejas como o teu cavaleiro de armadura e espada em riste.

Nada tem sido tão fácil, tão natural e real como este amor que te tenho e que se alimenta com o teu olhar, com os abraços que me pedes mal me vês e com os beijos quase infantis que me roubas enquanto falo d…

Já não existe mais o nós!

Já não existe maiso nós e mesmo que não me permita olhar para baixo, ter a sensação de que me basto, ou de que agora o "eu" não será mais penoso, terei sempre dias como os de hoje, onde nem a dança que me deixou sem ar e com a qual massacrei o corpo com movimentos que me excederam,  me impediram de deitar para fora o que parece rebentar-me por dentro.

Já não existe mais o nós e sei que vou ter muitos mais dias destes. Vou pensar em ti e querer-te durante algum tempo ainda, mas tal como aceito as músicas novas e adopto canções que me identificam, também te deixarei ir para sempre, porque a verdade é que nunca me pertenceste. Nunca nos conectámos o suficiente. Nunca me sentiste como poderia ser para ti e ficaste a anos-luz de me teres por inteira.

No dia em que te senti pela primeira vez, soube que seria assim. Antevi que a tua força era apenas fachada e que recuarias, terias medo, baixarias os braços e deixarias de olhar. Eu entendo-te, juro que sim, porque é mais fácil, menos…

Pensamentos!

Tudo muda!

Tudo muda. Mudamos nós, as circunstâncias, o que víamos antes de forma tão clara e de repente deixa de fazer sentido!

Fui esperando, por vezes de forma bem inquieta, que acabasse por te arrumar, que o que foste e eu não conseguia entender, pudesse terminar da mesma forma que começou, rápida e intensamente. Esperei dias e anos a fio. Esperei até julgar que não seria possível manter-me em pé, sem saber do que eras, com quem estavas e o que querias da vida agora. Esperei e mantive-me à procura do que não disseste, aguardando por respostas que nunca cheguei a ouvir. Fui falando com todos quantos se mantiveram intactos para me ouvirem, vezes sem conta, fui perguntando os porquês, de que forma e por que razão terias tu fugido, mas recusei todas as respostas, optei por usar as minhas e dei-me a importância que muito provavelmente nunca cheguei a ter. Não te conheci o bastante. Não cheguei sequer a saber o que carregavas dentro e que histórias te teriam levado até a mim. Soube sempre tão pouc…

Perdermo-nos com a perda!

Não fomos talhados para ficar sós, sem mais metades e sem quem se ajuste e faça a vida valer a pena. Não somos seres solitários, e mesmo que a solidão nos ajude a pensar e a repensar decisões, ela não deverá ser excessivamente prolongada. Não temos forma de aceitar a perda de quem nos faz perder do que somos.

O amor é um caso sério de encontro com a nossa essência. Quem nos chega e faz sentido, tem o que nos faltava e precisávamos. A parte de nós da qual cuidamos melhor, é a que nos alimenta e permite acordar com sentido, adormecendo com um propósito. Isto sim é amor, tudo o resto é uma procura desesperada do que não existe.

Perdermo-nos com a perda desmembra-nos e vira o mundo do avesso. Sermos forçados a esquecer o toque, o cheiro e as palavras que os silêncios reforçavam, esvazia o que outrora era pleno, natural e nosso. Perdermo-nos com a perda torna-nos pequenos outra vez e relembra-nos o poder que nunca tivemos. Perdermo-nos com a perda da pessoa que amámos mais do que a nós mes…

O peso da amizade!

Os dias não mudam nada por serem dias de alguma coisa. O que poderá mudar é a nossa percepção da importância que os outros têm na nossa vida.

Os amigos são flores raras, daquelas que não encontramos nas floristas mais comuns. Eles partilham até o que apenas nos atrevemos a pensar. Choram connosco e vão-se rindo dos disparates que deixamos colar em nós, como se de uma segunda pele se tratasse. Os amigos não precisam de razões para estarem juntos e os mais fortes desculpam o indesculpável. Os amigos conhecem a nossa história de trás para a frente e por vezes confundem-se com o que já somos.

É aos amigos que vamos bebendo, como se de uma fonte se tratassem. Deles vem o que nos falta e com eles chegamos onde não temos coragem. Quando somos reais e verdadeiros, festejamos os seus sucessos como se fossem nossos, mas não cedemos perante as suas derrotas porque teremos que os levantar.

O peso da amizade nunca foi verdadeiramente determinado, mas certamente que não caberá em nenhuma balança, t…

Mulheres solitárias!

"Mulher com cão procura homem com coração"!

Nunca um filme fez tanto sentido e pareceu ter sido produzido para mim como este. Olhem lá que até o meu cão é preto.Têm que ver, eu recomendo, sobretudo às mulheres e homens que estão sozinhos e a sentirem-se sós.

Fartei-me de rir, até de mim, quando me revi nesta enorme treta que é o "voltar ao mercado". Here I go again! Estar sozinha à procura de alguém com coração não tem piada, é assustador e não tem metade das partes divertidas do filme. Talvez se eu permitisse às almas boas que conheço que me arranjassem um par, parceiro ou qualquer outra treta do género, quem sabe não seria mais fácil...

O que se faz, diz e escreve? Caramba, não é fácil mesmo, mas já não olho tanto para trás. Já não me culpo por estar onde me encontro agora, sozinha e à procura não sei muito bem do quê ou quem. Talvez até saiba, o que torna tudo ainda mais assustador, mas como o amanhã é apenas isso, um dia depois do outro, vou esperar que corra b…